Prisão, assassinatos e vício: as histórias trágicas de vencedoras do Miss Rússia

Aleksandr Ovchinnikov/TASS; Vitalij Arutjunov/Sputnik; Wikipedia
Beleza e fama não garantiram felicidade a essas três mulheres.

Svetlana Kotova, finalista no Miss Rússia 1996 – assassinada

A polícia a procurava por meses. Até que, em maio de 1997, não muito longe de Atenas, na Grécia, foi encontrada uma mala: dentro, partes de corpo humano. Eram os restos mortais da modelo Svetlana Kotova. Embora não tenha conquistado o cetro de Miss Rússia, a fama a alcançou do mesmo jeito – e, com isso, também a desgraça.

Pouco depois do concurso de beleza, onde ficou classificada entre as finalistas, a jovem assinou um contrato com uma agência de modelos de Moscou, a Red Stars.

Em dezembro de 1996, em uma discoteca da capital, Kotova conheceu um jovem rico, educado e galante. O amor nasceu em pouco tempo. No entanto, a russa de 22 anos mal sabia que havia se apaixonado perdidamente por um dos piores assassinos em série da história russa: o fugitivo Aleksandr Solonik. Apesar das frequentes “visitas de trabalho” a sua terra natal, ele morava na Grécia para fugir da polícia.

Em janeiro de 1997, a garota tirou uma semana de folga para visitar o amado na Grécia. Lá, o homem construíra e vivia em uma luxuosa vila.

Para Svetlana, esta era a primeira viagem ao exterior. Todos os dias ela mantinha contato com a família, mas não em 31 de janeiro. Naquele dia, uma antiga amiga e “colega” do assassino, Sasha Soldat, visitou a vila. Svetlana foi morta sem piedade. Seu corpo, em pedaços, foi encontrado quatro meses depois dentro de uma mala.

Aleksandra Petrova, Miss Rússia 1996 – assassinada

Aos 16 anos, Aleksandra conquistou o título de mulher mais bonita da Rússia, na mesma competição em que participou a supracitada Svetlana Kotova. E assim como a ex-concorrente, também teve um final trágico.

Dentro de poucos anos, Petrova começou a fazer muito sucesso como modelo. Em sua cidade natal, Tcheboksari, a Miss Rússia 1996 conheceu o empresário Konstantin Tchuvilin. Segundo algumas fontes, o homem era ligado a uma gangue criminosa que reinvestia seus lucros na área de assuntos jurídicos.

LEIA TAMBÉM: Por que era tão perigoso viver na Rússia na década de 1990? 

Por esse motivo, Tchuvilin se tornou alvo de um assassino que aguardava a chegada do casal e de dois outros homens de negócios nas escadas de entrada de um complexo residencial em Tcheboksari. Petrova foi atingida por uma bala perdida e morreu a caminho do hospital, dois dias antes do seu vigésimo aniversário.

Anna Malova, Miss Rússia 1998 – presa

Anna Malova ganhou o cetro de mulher mais bela do país em 1998, quando tinha apenas 27 anos. Pouco depois de seu triunfo, elas retornou à lista das 10 finalistas no concurso Miss Universo, realizado no Havaí.

“Não há grandes diferenças entre as pessoas de uma geração mais jovem: todos curtem sair, ir à discoteca, divertir-se da mesma forma”, declarou a jovem quando, em entrevista, perguntaram-lhe o que havia em comum entre as jovens de Rússia e Gana. Mas, talvez, Anna amava essas coisas muito mais do que seus colegas.

Os problemas e o vício em drogas logo começaram. A modelo assinou um contrato com uma agência americana e se mudou para os EUA. Em pouco tempo, ela foi presa várias vezes por roubo de receitas médicas e agressão. A última prisão ocorreu em 2011. Foi liberada dois anos depois, após um período em uma clínica de reabilitação.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies