Os 5 tesouros mais magníficos descobertos em Moscou

No território da capital russa, foram descobertos verdadeiros tesouros, com joias raras e milhares de moedas medievais preciosas. Por vezes, é possível até fazer uma reconstituição das circunstâncias dramáticas da criação destas peças.

1. Grande Tesouro do Kremlin

Já se encontraram tesouros no território do Kremlin diversas vezes. Mas o que foi descoberto em 1988 é o maior de todos. São 300 peças datadas do século 13, com diversas joias de prata, assim como barras do metal.

A descoberta continha joias raras produzidas não apenas na Rússia, mas também na Escandinávia e na Pérsia. O tesouro teria pertencido a um príncipe de Moscou e tinha sido escondido no ano de 1238, quando, por três dias, o local foi sitiado por mongóis. A cidade caiu e foi devastada, assim como o Estado anterior à Rússia, a Rus – a qual perdeu sua soberania por alguns séculos.

Havia muitos anéis no tesouro. Entre eles, um de ouro levava a inscrição, em árabe: "Glória, sucesso, poder e felicidade a seu dono".

O tesouro foi descoberto a 5 metros de profundidade da superfície. Ele era mantido originalmente em um baú de madeira, mas, em 750 anos, o objeto foi reduzido a pó. O tesouro tem significado histórico, pois pode ser interpretado como prova de que, em meados do século 13, Moscou estava no centro da vida política da Rus e desempenhava papel importante no comércio de trânsito.

2. Tesouro Ipatiev

Encontrado quase 30 anos antes do tesouro do Kremlin, este continha um grande número de moedas de prata espanholas em uma bacia de cobre. Tinha 3.398 moedas “piastres” cunhadas entre os séculos 16 e 17, principalmente em territórios ultramarinos espanhóis: México, Bolívia e Colômbia.

LEIA TAMBÉM: Onde encontrar a verdadeira Sala de Âmbar

Havia mais de 70 quilos de prata, que foi escondida no início do século 17. O tesouro foi encontrado durante obras, com uma escavação na via Ipatiev, no centro da cidade. Os historiadores tiveram dificuldades em explicar qual era o destino dessas moedas. O mais provável, porém, que houvessa a intenção de fundi-las para cunhar moedas russas.

3. Tesouro árabe

Na década de 1830 encontrados dirhams árabes do século 9 durante a construção da catedral original de Cristo Salvador. Acredita-se que essas moedas árabes tenham sido o primeiro dinheiro na circulação na antiga Rus. Mais de 15 tesouros semelhantes foram descobertos em Moscou e seus arredores.

Quando o tesouro foi escondido, Moscou não existia, por isso algumas pessoas acreditam que os dirhams podem ter sido escondidos na encosta de uma colina por algum comerciante durante algum ataque de ladrões.

4. Inúmeras moedas

Um enorme tesouro foi descoberto no centro de Moscou, a poucos metros do Kremlin, em 1996. Nele, havia mais de 300 moedas da Europa Ocidental e 95.000 moedas de prata russas. Na época, o Museu de História Estatal tinha uma coleção de 70.000 moedas russas.

As moedas mais antigas no tesouro encontrado remontam ao reinado de Ivan, o Terrível, em meados do século 16. Acredita-se que o dono do tesouro o tenha escondido embaixo de sua casa de madeira, mas, como resultado de um incêndio, a casa tenha sido queimada e o local onde ele estava não tenha sido identificado.

5. Moedas o bastante para construir um palacete

Outra coleção enorme de moedas foi descoberta há apenas alguns anos, em 2015, no processo de construção de um novo parque, o Zariádie. Os trabalhadores da construção encontraram 43 mil moedas de prata, que totalizavam 20 quilos do metal.

As moedas também foram cunhadas por volta do reinado de Ivan, o Terrível, mas foram escondidas no século 17, no chamado Tempo de Dificuldades, o período prolongado de turbulências internas e interferências estrangeiras nas relações russas.

Em geral, elas valiam, naquele tempo, entre 350 e 380 rublos. O dinheiro era suficiente para construir uma elegante propriedade em Moscou. A maioria dos tesouros foram escondidos em Moscou entre os séculos 15 e 16, quando a situação política no país estava longe de ser estável e as pessoas se sentiam inseguras.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies