Por que Stálin queria demolir a principal loja de departamentos da Rússia? Veja fotos

Sputnik, Konstantin Kokoshkin/Global Look Press
Ao longo dos anos, a GUM, situada em plena Praça Vermelha, manteve relações complicadas com a liderança soviética. Quase demolido em três ocasiões, o enorme edifício continua de pé e ainda é um dos mais importantes centros de compras em Moscou.

Uma das lojas mais antigas da Rússia, a atual GUM era chamada Filas do Comércio do Meio, quando foi aberta há 125 anos, bem ao lado do Kremlin.

Durante os tempos soviéticos, recebeu o nome pelo qual é hoje conhecida – e que é uma abreviação em russo de “Lojas de Departamento Estatais”.

Primeira foto: Filas do Comércio do Meio em 1886 / Segunda foto: Entrada principal da GUM em 1910

A nova loja revolucionou o comércio interno russo. As primeiras etiquetas de preço no país foram introduzidas nesse estabelecimento. Com isso, barganha e escambo estavam fora de cogitação, mas os comerciantes não podiam mais enganar as pessoas vendendo mercadorias pelo dobro do preço.

Primeira foto: Filas do Comércio do Meio em 1886 / Segunda foto: GUM nos dias de hoje

A GUM foi a primeira loja russa a disponibilizar livros de reclamações aos clientes para que pudessem apresentar quaisquer queixas sobre a sua experiência de compra.

Decoração de Natal e Ano Novo na GUM, em 1978

Por duas vezes, em 1935 e 1947, Stálin emitiu ordens para demolir a GUM, pois queria ampliar a Praça Vermelha. No entanto, os planos nunca foram concretizados.

O futuro da loja também foi colocado em dúvida durante o governo de Leonid Brejnev. Muitos achavam que ter lojas perto de marcos históricos como o Kremlin e a Catedral de São Basílio era inaceitável, e pediam que a GUM fosse demolida.

LEIA TAMBÉM: Como um arquiteto convenceu Stálin a não demolir a Catedral de São Basílio? 

Entretanto, a loja foi salva pela esposa de um funcionário de alto escalão que encomendou um vestido da GUM antes de exigir que seu marido salvasse a loja.

Reconstrução da GUM em 1953

A GUM também é conhecida por sua fonte, usada como ponto de encontro. Ao contrário das outras fontes da capital, esta jamais é desligada.

Vista aérea da fonte da GUM

Por dentro, a GUM é um museu incomum, conhecido como “toalete histórico”.

Trata-se de uma reprodução exata de um banheiro da época do Império Russo e, se a situação apertar, você poderá usá-lo – pagando, obviamente.

Decoração natalina em frente à loja de departamentos

A GUM não é apenas uma loja, mas também uma casa de moda. Desde a década de 1960, o espaço recebe desfiles, exposições e espetáculos de destaque.

Desfile de moda na GUM, em março de 1969

Embora a GUM tenha sido privatizada em 1992, ainda mantém o “estatal” no nome.

Fila para comprar TV em 1989

Além disso, a mais famosa loja de departamentos da Rússia mantém duas tradições principais até hoje: vende sorvete de estilo soviético em cones e abre anualmente uma pista de patinação no gelo na Praça Vermelha durante o inverno.

Ringue de patinação no gelo em frente à GUM, na Praça Vermelha

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies