3 armas gigantescas da Rússia

Armamentos causam temor generalizado, mas nunca foram usados em batalhas.

O Canhão do Tsar

O Canhão do Tsar, também conhecido como Tsar Pushka é o maior canhão do mundo.

Esta peça de artilharia real foi construída para defender o Kremlin e permanece no local há mais de 400 anos.

O Canhão do Tsar do Kremlin de Moscou foi incluído no Livro dos Recordes Guinness como a maior bombarda (arma medieval usada para atirar pedras grandes) por calibre do mundo. Ele foi construído para atirar balas de canhão de 800 kg e pesa quase 40 toneladas, sendo necessários 200 cavalos para transportá-lo.

O calibre do canhão é de 890 milímetros. Há armas de artilharia maiores, como o Morteiro Mallet, do Reino Unido, e o Pequeno David, dos Estados Unidos, ambos com 914 milímetros. Mas essas armas são morteiros, não canhões, e isso significa que o Canhão do Tsar do Kremlin é uma peça de artilharia inigualável. 

É preciso lembrar ainda que os morteiros foram produzidos nos séculos 19 e 20, com o uso de uma tecnologia (relativamente) moderna, enquanto o Canhão do Tsar foi feito em bronze e data de 1586. O canhão foi feito pelo especialista Andrêi Tchokhov, em Moscou.

Algumas pessoas dizem que Tchokhov criou o canhão para impressionar estrangeiros com o suposto poder de Moscou, e não para ser usado como uma arma de verdade. Seguindo a teoria, o canhão não foi criado para ser usado.

No entanto, em 1980, enquanto o canhão era restaurado, foi inspecionado por especialistas da Academia de Artilharia. Eles encontraram resíduos de pólvora e chegaram à conclusão de que o canhão havia disparado ao menos uma vez.

2. O Pai de Todas as Bombas

Em abril de 2017, os EUA bombardearam o EI (Estado Islâmico) no Afeganistão com a “Mãe de Todas as Bombas” – o GBU-43/B Arsenal Massivo de Explosão Aérea (MOAB, na sigla em inglês) -, a mais poderosa arma não nuclear de seu arsenal.

Pelo menos 36 terroristas morreram durante a explosão e armazéns com armas e equipamentos militares, assim como diversos túneis, foram destruídos.

A Rússia tem uma bomba similar, mas muito mais poderosa. Apesar de seu tamanho menor, a Munição Aérea Volumétrica de Detonação russa (ODAB) tem quatro vezes mais força que o MOAB americano, com um rendimento equivalente a aproximadamente 40 toneladas de TNT.

O “Papa” russo, como a bomba foi carinhosamente apelidada, garante o dobro da distância mortal da norte-americana “Mama”.

O design da ODAB é muito original. O nariz tem um artifício eletromecânico complexo para armar e pulverizar o material explosivo. Algum tempo depois de o dispositivo ser lançado, os produtos químicos são despejados. O aerossol resultante se transforma em uma mistura gás-ar que é detonada por um fusível.

A ODAB gera uma onda de impacto com propulsão da pressão de cerca de 3.000 kPa (30 kgf/cm), criando um vácuo no epicentro da explosão. Esse diferencial rasga, literalmente, o interior para destruir qualquer coisa em seu caminho, até mesmo prédios.

3. O S-21, Guerreiro Russo

Em 1913, Ígor Sikorski projetou o S-21 “Russki Vítiaz” (“Guerreiro Russo”, em russo), o primeiro de uma série de enormes aviões russos.

Sua principal característica eram os quatro motores localizados na asa. A potência de cada um deles era de 100 cavalos. Naquela época, pensava-se que a criação de uma aeronave desse tamanho seria impossível.

Em 2 de agosto de 1913, o “Guerreiro Russo” estabeleceu um recorde mundial de tempo de voo (1 hora e 54 minutos). O avião podia atingir uma velocidade de até 90 km/h.

A aeronave, porém, nunca participou de batalhas.

A base do S-21 serviu para criar, em 1913, o famoso S-22 Iliá Múromets, o primeiro bombardeiro multimotor do mundo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies