Quem foi o oficial militar tsarista que se tornou general do exército dos EUA?

Domínio público
Herói na Guerra Civil Americana, Ivan Turtchaninov (John Basil Turchin) deixou a Rússia Imperial em busca de liberdade. Nos EUA, fez amizade com Abraham Lincoln e foi o único russo a subir ao posto de general. Apesar dessas conquistas, seu o final de sua vida foi desastroso.

Em 1862, durante a Guerra Civil Americana, o enviado russo a Washington, Eduard de Stoeckl, expressou descontentamento com o fato de o oficial russo Ivan Turtchaninov estar servindo no Exército da União.

"As fileiras deste exército consistem de revolucionários e aventureiros de todos os cantos da Terra", escreveu Stoeckl a São Petersburgo.

Apesar de o Império Russo apoiar o Norte, Stoeckl acreditava que lutar em batalhas internas dos Estados Unidos era uma vergonha para um oficial que havia servido ao Imperador.

Mas Turtchaninov não se importava com o que pensavam oficiais russos que não o apoiavam, pois havia deixado a terra natal para sempre.

Coronel teimoso

Chicago na década de 1860.

Nascido em 1822 na região do rio Don, no sul da Rússia, Turtchaninov seguiu os passos de seu pai, um cossaco. Em 1841, ele se formou na Escola Militar Imperial de São Petersburgo e, em 1848, participou da repressão da Revolução Húngara, lutando mais tarde na Guerra da Crimeia (1853-1856).

"No final da guerra [da Crimeia], Turtchaninov era coronel e tinha uma perspectiva de ter uma vida rica e uma carreira de destaque à frente. Mas ele não quis isto", escreveu o articulista David Zaslavski.

Em 1856, Turtchaninov e sua mulher, Nadejda, deixaram a Rússia e atravessaram o Atlântico, fugindo para os EUA. O motivo era ideológico: o coronel era um republicano ardente, ansiando por viver em um país livre onde uma pessoa pudesse decidir seu destino por si própria.

Na década de 1850, os EUA eram o único Estado proeminente a terem um governo republicano (todos as potências europeias eram monárquicas). Assim, após cruzar o oceano, o casal Turtchaninov comprou uma pequena fazenda próxima à cidade de Nova York.

Sentimentos contraditórios sobre os EUA

Guerra Civil Americana.

No novo continente, o russo adotou o nome John Basil Turchin. Mas o casal enfrentou muitas dificuldades.

"Os Estados Unidos me ajudaram a me desfazer de meus preconceitos aristocráticos e me reduziram ao nível de um mero mortal. Eu renasci. Não temo nenhum trabalho; nenhum setor de negócios me espanta e nenhuma posição social me rebaixa”, escreveu Turtchaninov a Aleksandr Herzen, famoso dissidente político russo que morava em Londres.

E Turtchaninov teve mesmo que mudar de carreira muitas vezes: foi agricultor, operário e engenheiro. Sua fazenda em Nova York não deu tão certo, então os Turchins se restabeleceram em Chicago, onde o coronel trabalhou como engenheiro e teria conhecido até mesmo o futuro presidente norte-mericano, Abraham Lincoln. Mais tarde, isto o ajudou.

Turchin, porém, não estava completamente apaixonado pela vida nos EUA. Na mesma carta a Herzen, reclamava: "Estou totalmente desapontado; não vejo nem uma fração de liberdades de verdade aqui... Isto é um paraíso para os ricos, onde podem se safar de crimes perversos com dinheiro".

O oficial idealista teve que enfrentar a dura realidade de todos os vícios do capitalismo norte-americano.

Batalhas e escândalos

Turchin criticou demais a América, mas quando a Guerra Civil estourou, em 1861, não hesitou em se juntar às fileiras do Exército da União.

Graças a seu passado militar, ele recebeu o posto de coronel e a 19ª Infantaria de Voluntários do Regimento de Illinois ficou sob seu comando, lutando contra a Confederação no Tennessee e no Alabama.

Oficial ativo, Turchin confrontava frequentemente seu comandante, o general Don Carlos Buell, e às vezes agia até mesmo sem sua permissão.

Turchin e seus homens ajudaram, por exemplo, a cercar Huntsville, no Alabama, cortando as linhas ferroviárias da Confederação. Este foi um grande sucesso tático que rendeu o respeito dos soldados a Turchin. Mas novamente, ele entrou em confusão.

O estupro de Atenas

Em 2 de maio de 1862, o 19º Regimento tomou a cidade de Atenas, no Alabama. Então, o exército estava frustrado com o beco sem saída em que se encontrava no campo de guerra, já que os guerrilheiros dos Confederados frequentemente derrotavam os soldados da União com a ajuda dos residentes locais sulistas. Assim, o coronel russo decidiu ensinar aos rebeldes uma lição.

Em um episódio conhecido como “O estupro de Atenas”, o coronel teria levado seus soldados da União à cidade, deixando-os saquear tudo o que podiam – quase 55 mil dólares, mais exatamente, ou seja, uma fortuna na época.

Após o incidente ganhar popularidade, Turchin foi demitido e levado à corte marcial. Mas muitos o apoiaram, e o jornal “Chicago Tribune” o classificou como uma "vítima da malícia pró-escravidão".

Em seu discurso na corte, Turchin ressaltou que a União estava lutando contra os escravizadores com os quais “não se deveria lidar com luvas de pelica, mas um pouco mais duramente”.

Enquanto isto, a mulher de Turchin foi a Washington DC para levar o caso do marido diretamente a Lincoln, que não apenas liberou Turchin, mas também o promoveu a general de brigada. Afinal, a União precisava de oficiais ativos e inteligentes.

Esquecimento pós glória

Turchin continuou a servir ao Exército, lutando na Batalha de Chickamauga e na campanha de Chattanooga, onde deu seu melhor.

Em 1864 ele teve que deixar o exército após sofrer um derrame. Depois da guerra, ele levou teve uma vida cheia de problemas, mudando de carreira o tempo todo. Turchin morreu em 1901, aos 79 anos e muito pobre.

Descubra como o recém-nascido Estado soviético obteve ajuda capitalista e depois renegou.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies