Como eram os duelos travados por nobres durante o Império Russo?

Duelo como costume sumiu completamente após 1917, assim como a aristocracia russa, que foi aniquilada pela Revolução Bolchevique.

Duelo como costume sumiu completamente após 1917, assim como a aristocracia russa, que foi aniquilada pela Revolução Bolchevique.

Legion Media
Aristocratas na Rússia tsarista podiam se desafiar por qualquer coisa, e o poeta mais amado do país, Aleksandr Púchkin, que morreu ao duelar, poderia ter uma biografia intitulada “Como entrar em duelo por absolutamente qualquer motivo”. O Russia Beyond apresenta uma visão geral do “combate de honra”.

Pedro, o Grande governava a Rússia no início do século 18, quando a tradição dos duelos chegou ao país, vinda da Europa, e não estava exatamente feliz com ela.

“Enforque-os [aqueles que participavam de duelos], vivos ou mortos”, ordenou o imperador em 1715. As medidas restritivas, porém, não funcionaram.

Na realidade, não há registros de tal punição sendo aplicada na vida real durante o governo de Pedro, e os duelos eram altamente populares então.

Foi durante o final do século 18 e o início do 19 que os duelos mais se disseminaram entre os nobres russos.

Substituto da guerra

No início do século 19, a Rússia estava lutando contra Napoleão, finalmente derrotando-o em 1812. Os aristocratas que serviam o país como oficiais nos campos de batalha queriam mostrar sua bravura também em tempos de paz.

Além disso, como escreve o autor de “História do Duelo Russo”, Aleksandr Vostrikov, encarar de frente uns os outros era um modo de a aristocracia marcar sua singularidade.

Um burguês ou camponês nunca desafiariam um nobre, e ter a honra de se defender era um privilégio.

A distância tradicional entre os duelistas com pistolas na Rússia era menor que na Europa, e os russos podiam atirar a três passos.

Mas o duelo também era uma necessidade. Se alguém ferisse sua honra e e você não desafiasse a vida dele, não seria mais bem-vindo na nobreza. No século 19, isso era, provavelmente, ainda pior que a morte em si, pelo menos para os membros da aristocracia.

Não importava que o duelo continuasse proibido. Jovens (e outros nem tão jovens assim) nobres estavam prontos a resolver seus problemas com pistolas ou espadas.

Motivos para um duelo

Os motivos para a luta podiam ser diversos. Claro, muitas vezes estavam ligados a alguma mulher: podia ser um marido que desafiava outro homem por espalhar ter um caso com a mulher (foi assim que o mais amado poeta russo, Aleksandr Púchkin, morreu em duelo com Georges-Charles d'Anthès) ou dois jovens apaixonados pela mesma garota desafiando um o outro.

Aliás, a biografia de Púchkin poderia se chamar “Qualquer motivo possível para se iniciar um duelo”. O poeta era uma espécie de bretteur, ou seja, uma pessoa que desafia todo mundo que lhe pareça faltar de qualquer maneira com respeito.

Imagem do filme

O duelo com d'Anthès foi pelo menos o 21° de sua “carreira”, apesar de a maioria deles (15) terem terminado sem tiros ou mortes. Normalmente, seus amigos ajudavam a resolver o problema com negociações pré-duelo, e Púchkin, ou, mais frequentemente, seus opositores pediam desculpas. Mesmo assim, o poeta sempre estava pronto a lutar.

Os motivos para seus duelos iam de brigas regadas álcool e trapaças nas cartas a piadas ruins e discussões literárias. E eles eram bem comuns. Como escreveu Aleksandr Vostrikov: “Duas carruagens não cabem na mesma rua? Um duelo. Um homem empurra o outro sem querer? Um duelo. Alguém te olha de lado? Um duelo”.

Assim, muitos aristocratas se comportavam como bombas prestes a explodir.  

Etiqueta para tirar a vida de alguém

As regras dos duelos são conhecidas de todos. Primeiro, um homem insulta o outro, provocando assim o desafio. Os insultos podem ser diversos, de uma afronta verbal, chamando o opositor de “salafrário” ou coisa que o valha, a um tapa.

A parte ofendida diz, sem mencionar diretamente um duelo – eles eram proibidos, lembra? -, algo como “isso não vai ficar assim”. As regras não escritas rezam que eles não podem se ver antes do duelo.

Cada um escolhe um subordinado, seu confidente que o representará. Os subordinados se encontram com exigências oficiais dos participantes do duelo, mas têm o objetivo de resolver o assunto pacificamente.

Caso eles falhem, porém, acabam marcando hora e local, normalmente algum lugar remoto ao nascer do sol, e o cenário está pronto para o duelo.

Cara a cara

As condições sob as quais os duelos são travados também diferem. Normalmente, os duelistas russos preferiam pistolas, e não espadas, já que um bom esgrimista tinha uma vantagem e com pistolas, com a dificuldade de apontá-las em um duelo, as chances eram mais democráticas.

Além disso, os duelos de espadas normalmente acabavam na primeira gota de sangue, enquanto com pistolas o fim vinha com a morte de alguém.

A distância tradicional entre os duelistas com pistolas na Rússia era menor que na Europa, onde eram necessários pelo menos  15 passos entre eles.

Os russos podiam atirar a três passos, enquanto os dois homens seguravam as pontas de um mesmo cachecol (o chamado “duelo de cachecol”).

Sob estas condições, um dos homens claramente acabava morto – e, sim, a Rússia eram bem brutal naqueles tempos!

O modo mais padronizado era o que tinha barreiras entre os duelistas, instaladas a 10 passos. Eles ficavam a cerca de 10 passos de distância de cada barreira e convergiam sob comando. Ambos tinham uma escolha: ir até a barreira e atirar ou ficar e apontar de longe. Foi assim que Púchkin morreu:  d'Anthès atirou primeiro.

A morte do duelo

Assim como Púchkin, outro poeta famoso russo foi aniquilado em duelo. Mikhaíl Lermontov morreu durante o governo de Nikolai I, que dominou a Rússia entre 1825 e 1856 e também odiava duelos, chamando-os de “barbarismo, nada a ver com a nobreza”.

Durante seu reinado, duelistas condenados pegavam sentenças e passavam entre seis e 10 anos na prisão. Foi após essas punições que o número de duelos começou a cair no país.

Gradualmente, o ato de duelar perdeu seu sentido quase sagrado, ou seja, pessoas que não pertenciam à nobreza começaram a participar.

O escritor russo Antôn Tchékhov retratou, em seu romance “O duelo” (1831), duas  pessoas que entram em um duelo “porque é o esperado”, mas não têm ideia do que fazer nele.

O duelo como costume quase desapareceu no início do século 20, e sumiu completamente após 1917, assim como a aristocracia russa, que foi aniquilada pela Revolução Bolchevique.  

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies