Neste dia: o imperador Nicolau 2º lançava o Manifesto de Outubro

"Protesto em 30 de outubro", 1905, de Iliá Repin

"Protesto em 30 de outubro", 1905, de Iliá Repin

Museu do Estado Russo
Documento colocou ponto final nos movimentos revolucionários em 1905 e efetivamente tornou a Rússia uma monarquia constitucional.

Em 1905, a primeira greve russa começou com um movimento de oposição liberal impulsionado pela Guerra Russo-Japonesa, que havia colocado a opinião pública contra o governo. Durante uma semana no início de janeiro, 120 mil trabalhadores entraram em greve em São Petersburgo. Em 9 de janeiro, 100 mil pessoas marcharam com ícones e retratos do tsar na Praça do Palácio. As tropas oficiais, porém, abriram fogo contra a multidão, matando 130 e deixando outras centenas feridas.

Esse fatídico dia veio a ser conhecido como Domingo Sangrento.

Em reação ao massacre, mais de 400 mil trabalhadores de todas as classes sociais saíram em protesto apenas ao longo daquele mês de janeiro. Em todo o país foram sendo formados sindicatos, incluindo a União das Mulheres por Igualdade.

A resposta final ao imperador foi dada com uma greve geral em setembro, e, em outubro, praticamente toda a rede ferroviária parou. A essa altura, os conselheiros do tsar instaram Nicolau 2º a fazer concessões, temendo que ele perdesse o trono.

Em 30 de outubro, o imperador relutantemente lançou o Manifesto de Outubro, no qual concedia liberdades civis e criava um Parlamento.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies