Rússia não enfrenta novo pico de incidência de covid-19, diz autoridade sanitária

Reuters
Clima chuvoso e frio facilitam a circulação de vírus respiratórios. Especialista defende, porém, adesão às medidas restritivas e à vacinação para acelerar processo de estabilização. 

A Rússia não enfrenta atualmente um novo aumento acentuado na incidência de casos do novo coronavírus, segundo Natália Pchenitchnaia, vice-diretora do Instituto Central de Pesquisa Epidemiológica do Rospotrebnadzor (Serviço Federal Russo de Supervisão da Proteção dos Direitos do Consumidor e Bem Estar Humano). 

O centro de crise anticoronavírus da Rússia confirmou nesta quinta-feira (10) o registro de 11.699 novos casos nas últimas 24 horas, o maior índice diário desde 24 de fevereiro.

“É incorreto concluir que estamos perante um novo pico. No entanto, muitas pessoas continuam ignorando as medidas de segurança, não entendem a necessidade de vacinação e [assim] facilitam a propagação do vírus entre a população”, disse Pchenitchnaia a repórteres. “Não vemos respeito às regras de segurança no transporte público, nas empresas ou em locais públicos com frequência. Se essas circunstâncias permanecerem, aumentos periódicos de incidência serão observados agora e no futuro”.

Segundo a epidemiologista, a resposta imunológica em ex-pacientes de covid-19 diminui com o tempo, e muitos que não contraíram o vírus não estão dispostos a tomar a vacina.

“Isso resulta na imunidade do rebanho, e o momento em que poderíamos tirar as máscaras e nos abraçar fica ainda mais longe de nós”, acrescentou Pchenitchnaia.

Desde o início da pandemia, o país registrou 5.167.949 casos de infecção pelo novo coronavírus. Em Moscou houve um aumento de 5.245 nas últimas 24 horas, sendo o maior desde 15 de janeiro. 

A Rússia registrou 383 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, e o número total de fatalidades chega a 125.278 (2,42% dos pacientes com o novo coronavírus na Rússia).

Clima e prevenção

O clima chuvoso e frio observado atualmente na Rússia facilita a circulação de vários vírus respiratórios e, segundo Pchenitchnaia, também pode afetar o curso epidemiológico da covid-19. Embora os picos de incidência sejam naturais para o processo de estabilização, a transição para a fase de recessão depende da responsabilidade dos cidadãos.

“Tenho certeza de que ninguém duvida da eficácia das medidas de prevenção contra a covid-19 e outras doenças respiratórias, mas não é suficiente. Essas medidas devem ser cumpridas regularmente; e, claro, é preciso compreender a importância da vacinação em massa para o fim imediato da pandemia”, arrematou a especialista.

LEIA TAMBÉM: Por que poucos russos se vacinaram contra o coronavírus?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies