Russo cria conjunto de Lego baseado em contos de fadas eslavos

Artem Bizyaev
Baba Iagá, Vassilisa, a Bela e o Gato Baion (Tagarela) – tudo de acordo com a tradição dos contos de fadas russos. Embora seja ainda apenas um conceito, esse conjunto de Lego pode muito bem aparecer nas lojas em breve.

O artista Artiom Biziaev, de São Petersburgo, postou no site Lego Ideas seu projeto para um conjunto de peças da empresa baseado no folclore eslavo.

A bruxa Baba Iagá, com sua famosa cabana giratória com pernas de galinha e almofariz e pilão, é a personagem principal do conjunto. Dentro de sua casa há um fogão, um machado e diversos utensílios para fazer poções.

“Permita-me apresentar a vocês o personagem mais famoso, carismático e adorado dos contos de fadas eslavos! Baba Iagá! Não se deixe intimidar por sua aparência assustadora. Afinal, apesar de parecer muito desagradável, Baba Iagá é justa e está pronta para ajudar os viajantes que vierem para sua floresta”, explica Artiom na descrição do projeto.

Além de Baba Iagá, Artiom também incluiu Vassilisa, a Bela, a heroína dos contos de fadas russos; Baiun, o gato, que bota as pessoas para dormir com suas canções de ninar, e a rã Vova. Em muitos contos de fadas, as rãs revelam-se como príncipes ou princesas enfeitiçadas – mas o autor explica que a rã Vova não é uma delas – é apenas uma rã mesmo.

Segundo Biziaev, seu conceito original parecia mais “autêntico”: o interior da cabana de Baba Iagá continha muito mais crânios e ossos (nos contos de fadas, são os restos dos hóspedes infelizes de Baba Iagá), “mas isso pareceu ser muito assustador para a Lego”.

“Também criei um penteado canônico para Baba Iagá no Blender [suíte de computação gráfica 3D], mas as regras da competição proíbem o uso de peças personalizadas”, escreveu Biziaev em sua conta no Twitter.

Depois de 16 horas da publicação, o conjunto já havia ganhado mais de 10 mil votos de apoio. A Lego deverá agora considerar a aprovação do conceito para produção e só então o conjunto poderá chegar às prateleiras das lojas.

Mais tarde, porém, Biziaev escreveu que a empresa estava analisando os votos por suspeita de terem sido gerados artificialmente.

“A Lego acha que os hackers russos malvados estão por trás de tudo isso e estão verificando se tudo estava certo. Rolando de rir! Os varegues invadiram a Dinamarca”, escreveu o artista. Até o momento em que esta matéria foi publicada, nem a Lego, em seu site, nem Biziaev, em sua conta do Twitter, publicaram os resultados da análise.

LEIA TAMBÉM: Os espíritos do mal que assombravam os antigos eslavos

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies