Desenho animado russo com 3,5 bilhões de visualizações tem efeito “hipnotizante”

YouTube
História gira em torno de ovos sorridentes vivendo em uma fazenda e mudando de cor por diversão. Parece inofensivo, né? Bem, você pode julgar...

“Ovos sorridentes em uma fazenda mudam de cor, quebram e mudam de forma. Aprenda estas seis cores: preto, marrom, rosa, branco, vermelho, azul. Boa exibição”, diz a descrição da Miroshka TV. Os comentários foram desabilitados. No entanto, o vídeo já atingiu a marca de 3,5 BILHÕES de visualizações.

A animação detém o recorde de um dos vídeos mais assistidos do YouTube em 2019. O número de visualizações se aproxima do episódio mais popular de “Masha e o Urso”, o desenho animado russo de grande sucesso internacional. Mas uma coisa é intrigante: a animação dos ovos sorridentes é aterrorizante – ainda que ninguém possa identificar exatamente o porquê (talvez, você possa nos dizer nos comentários); simplesmente gera uma sensação de pavor e desconforto em quem a assiste.

Outras plataformas em que o vídeo foi publicado têm comentários de adultos e pais usando palavras como ‘psicodélico’ ou ‘assustador, no final, meu cérebro começou a chorar’. Mas essas mesmas pessoas também admitem que as crianças enlouquecem com o desenho, no sentido positivo da palavra. “Meu sobrinho via isso o tempo todo quando ele tinha 3 anos, não faço ideia do segredo”, escreveu um dos usuários.

Parece que o elemento “hipnotizante” é a melodia – tocada sem parar – e as imagens “fascinantes”. Alguns pais se referem aos vídeos como “interruptores de crianças”. “Muitos pais sentam seus filhos na frente de vídeos educativos com cores, idioma, reconhecimento de objetos e assim por diante, e os deixam a sua própria sorte”, outro usuário comenta, acrescentando que a animação funciona como uma espécie de encanto quando rodada repetidamente. (ALERTA: Faça isso por sua própria conta de risco!)

LEIA TAMBÉM: Todos os filmes e programas russos na Netflix do Brasil

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies