Russo com braços biônicos fala sobre briga de rua, guerra contra máquinas – e até masturbação

Bionic_russia
Bate-papo teve como objetivo aumentar a conscientização sobre a vida de pessoas com alguma deficiência.

Konstantin Deblikov, de 27 anos, brinca que perdeu as mãos por causa de “um acidente com um ralador”. Na realidade, sua atual condição se deve a um incêndio há cinco anos.

Deblikov ficou famoso ao aparecer em uma série de TV russa. “Eu lido com o tema de próteses modernas e as possibilidades de membros artificiais. Como consultor e testador, trabalhei com vários fabricantes russos de braços biônicos”, diz.

Sua publicidade e estilo de vida despertaram o interesse do público e, respondendo a perguntas dos leitores do Tjournal, Deblikov revelou detalhes curiosos sobre o seu cotidiano.

Existe algo mais fácil de fazer com próteses de braços do que com os reais?

Sim. Deixar cair água fervente do espaguete com braços biônicos é bem mais tranquilo. Esses braços não conseguem sentir calor ou frio, por isso, não requer utensílios de cozinha adicionais e não congelam no inverno.

Como é a abordagem de seguranças em aeroportos?

Ao passar pelo controle de segurança, eu logo digo que tenho próteses, e elas geralmente me examinam com um detector de metais e tudo corre rápido e sem problemas. A meticulosidade da inspeção depende do país.

Na Europa, não surgem dúvidas, mas na Ásia (por exemplo, na Índia), geralmente me pedem para ir a uma sala especial onde me pedem para remover as próteses. Eles as inspecionam por dentro e até passam por um scanner.

Quão conveniente é se masturbar com essas mãos?

Esta é provavelmente a questão mais interessante relacionada ao uso de próteses de mão. Isso faz você pensar sobre o significado da masturbação na vida de uma pessoa – um tópico digno de uma tese! Essas próteses são feitas de aço traseiro (o que significa que você não pode sentir nada). Dá para usar alicates pelo mesmo motivo e com igual sucesso. As próteses atrapalham tudo o que se relaciona com tato.

Você luta? Tem força nas mãos? Você conseguiria machucar mesmo alguém?

Braços protéticos são feitos de metais duráveis. Então, seria possível bater forte se não fosse tão caro! O custo do reparo (assim como das próteses) é enorme, então, é preciso ou bater com o cotovelo, ou trabalhar seu chute de giro, ou ficar em paz –prefiro a última opção. 

O que você faz quando solicitado a fornecer suas impressões digitais?

Eu me recuso. Quando estava solicitando um passaporte, uma funcionária tentou freneticamente entender o que tinha que fazer em tais circunstâncias.

Algum tempo depois, ela percebeu que o sistema continha um botão “Enviar impressões digitais não é fisicamente possível”!

Você consegue quebrar uma garrafa apertando-a?

Os braços biônicos não recebem feedback de ações realizadas; por isso, controlo a força de compressão visualmente. Além disso, o som das engrenagens nos braços lhe dá uma compreensão de quão forte está a pegada. Alguns deles podem apertar objetos com muita força. Eu nunca apertei nenhuma garrafa, mas destruí alguns copos.

Quais são as próteses de braços mais modernas e caras do mercado?

As mais caras no momento são os modelos Ilimb Quantum, Taska e Michelangelo.

A grosso modo, custam de 3 a 5 milhões de rublos (US$ 50.000 a 80.000). Quanto mais modelos você tiver, mais funcionalidade (porque há modelos especializados em diferentes funções, como, por exemplo, esportes e levantamento de peso).

Elas funcionam com baterias?

As próteses de braços funcionam com baterias recarregáveis. Elas podem ser removíveis ou embutidas. Baterias removíveis são muito mais convenientes – se a prótese estiver descarregada, trocar a bateria já resolve o problema.

As próteses duram de um a três dias com cargas de cinco ou seis horas, dependendo da intensidade das atividades do usuário e da bateria.

Você acha que robôs vão te poupar se houver uma guerra entre máquinas e humanos?

Em tais circunstâncias, espero que as máquinas me considerem do lado delas!

LEIA TAMBÉM: ‘Haters’ atacam garota sem intestino na rede 

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies