Verticalização das cidades russas dobrou desde a queda da URSS, diz estudo

Legion Media
Moscou e Vladivostok lideram entre municípios com prédios mais altos.

A altura média das cidades russas dobrou desde a época soviética, de acordo com analistas do site de anúncios imobiliários Tsian. O presente estudo avaliou o número de andares dos edifícios residenciais recém-construídos.

Nas cidades com mais de 300 mil habitantes, os prédios erguidos durante a União Soviética tinham, em média, 5,7 andares, contra os 12,6 andares dos edifícios construídos atualmente.

Uma das Sete Irmãs de Stálin, em Moscou

Além disso, em comparação com as décadas de 1990 e 2000, este índice é 52% mais elevado (a altura média de edifícios aumentou de 8,3 para 12,6 andares). Em cidades com mais de um milhão de habitantes, a altura média dos novos edifícios é de 15,1 andares.

LEIA TAMBÉM: 5 curiosidades sobre as Sete Irmãs de Stálin 

Deve-se notar que os campeões nesse quesito são Moscou (20,5 andares), Vladivostok, no Extremo Oriente (19,4 andares), Iekaterinburgo (Urais, 17,4 andares) e Krasnoiarsk (17,1 andares). Já em São Petersburgo, que conta com história e arquitetura mais conservadoras, os prédios têm, em média, 14,6 andares.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies