Moradores de Tchukotka, no Ártico russo, ajudam urso polar órfão

Centro Científico Expedicionário de Pesquisa de Mamíferos Marinhos de Moscou
Sem a mãe, filhote de um ano teria poucas chances de sobrevivência. Experimento inédito envolvendo locais tenta amparar urso em seu habitat natural.

A relação entre russos e ursos não é apenas mito, e os aldeões de Rirkaipi e Billings no Distrito Autônomo de Tchukotka, no extremo nordeste da Rússia, estão aqui para justamente provar isso, de acordo com a agência RIA Novosti.

Um urso polar de apenas um ano de idade instalou sua toca na costa do mar Siberiano Oriental, no oceano Ártico, há quase um mês.

Ao notarem o pequeno urso, os moradores locais acreditaram que era seu dever cuidar do animal e alimentá-lo.

“Pela primeira vez na história, é realizada uma experiência única: uma tentativa de cuidar de um filhote de urso de um ano em um ambiente natural. Sozinho, sem a mãe nessa idade, o animal tem pouca chance de sobreviver”, diz Viktor Nikiforov, especialista em ursos polares do Centro Científico Expedicionário de Pesquisa de Mamíferos Marinhos de Moscou.

LEIA TAMBÉM: Tchukotka: gelo, ursos e renas se encontram no fim do mundo 

Geralmente, esses filhotes são enviados para a zoológico, mas dada a situação, vimos a oportunidade de manter o urso em seu habitat natural”, acrescenta.

Segundo Nikiforov, isso só será possível graças à presença próxima de uma faixa de costa onde, a cada outono, milhares de morsas param para migrar, deixando para trás os cadáveres dos companheiros falecidos.

“Isso torna possível alimentar o urso.”

No entanto, congelada pela temperatura ambiente (que chega a -30°C), a carne das morsas tem que ser cortada e amolecida para o jovem quadrúpede, cujos dentes ainda estão em formação.

Apesar dos cuidados, o urso é mantido longe dos locais de assentamento humano, bem como da comida nessas localidades, de modo que “a vida fácil de seus benfeitores não o deixe mal acostumada e ele seja capaz de, mais tarde, viver com total autonomia”, explica o especialista.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies