Na corda bamba do Daguestão: a arte de se equilibrar entre montanhas

A república russa do Daguestão é famosa por seus equilibristas que se apresentam em circos e shows acrobáticos no mundo todo. Reza a lenda, inclusive, que a arte de andar sobre corda bamba começou nessa região, mais precisamente em Tsovkra-1.

A aldeia de Tsovkra-1 pode ser acessada de carro a partir de Makhatchkalá, a capital do Daguestão, que fica a 1.800 quilômetros de Moscou. A viagem até lá leva cerca de três horas – primeiro pelo asfalto, depois por montanhas sinuosas. 

O vilarejo está situado a cerca de 2.000 metros acima do nível do mar. Ao redor da aul (vila fortificada encontrada nas regiões montanhosas do Cáucaso) erguem-se belas montanhas e vistas inspiradoras. Mas isso não é tudo: uma das atrações são os equilibristas locais, já que ali supostamente começou a história do funambulismo.

VEJA TAMBÉM Daguestão, terra de montanhas e cidades milenares 

Como e quando a caminhada sobre corda bamba foi realizada pela primeira vez na vila não está totalmente claro – nem mesmo os indígenas ou o diretor da escola local conseguem dizer ao certo, mas todos concordam que ocorreu há mais de 200 anos.

Os equilibristas do Daguestão são reconhecidos no mundo inteiro; participam de shows, circos e todo tipo de apresentação. Há quem diga também que a caminhada sobre corda bamba foi praticada pela primeira vez como arte nos tempos de URSS, popularizando-se simultaneamente em vários vilarejos do Daguestão.

VEJA TAMBÉM O que comer para viver 100 anos? Moradores do Cáucaso contam segredos locais de longevidade 

A atividade já foi muito popular na região. A idade não era barreira – tanto jovens como muito velhos se equilibravam sobre a corda. Mas os tempos mudaram e, agora, muitos moradores da aldeia partem para outras áreas do Daguestão, instalando-se em Makhatchkalá. Já não se pode dizer que é um passatempo comum da população.

Poucos jovens frequentam a escola especial de funambulismo, mas, até meados dos anos 1990, tratava-se tanto uma disciplina independente como parte das aulas de educação física. Muitas crianças aprenderam como fazê-lo, e os veteranos se lembram de como não havia um centímetro sequer livre sobre a corda.

Os mais talentosos eram cortejados por companhias de circo. E, se os pais concordassem, a vida de seus filhos e filhas virava de cabeça para baixo: passeios, ensaios e fama mundial.

Hoje, os vilarejos de montanha estão desparecendo, e a própria arte está mal das pernas. No entanto, ainda existem equilibristas, e, nos feriados, o evento sempre atrai uma multidão de espectadores ávidos.

Não há pousadas ou albergues na aldeia, mas é possível encontrar acomodação em casas de família. Por sinal, na hospitaleira Daguestão, os moradores discutem entre si para ver quem receberá o hóspede.

Hoje com casas em ruínas, o vilarejo já teve dias melhores. Mas ainda permanece vivo, e as pessoas de aldeias vizinhas continuam se reunindo em dias de celebração.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies