Única representante feminina, jovem de 19 anos vence competição de soldagem na Rússia

Arquivo pessoal
Para Diana Bagautdínova, prática foi amor à primeira vista. Mas a vitória só veio às custas de muito trabalho e dedicação.

A pessoa que melhor solda na Rússia é uma mulher: a moscovita Diana Bagautdínova, que era a única representante feminina em um concurso de soldagem realizado no país no final de agosto, derrotou dezenas de homens na rodada final.

“O processo de soldagem me fascina muito”, diz. “É muito estimulante ver uma faísca ardente enquanto une o metal. É realmente bonito”, continua.

A jovem se apaixonou por soldagem há três anos, durante um treinamento prático na universidade onde estudava engenharia de sistemas de aquecimento. Na época, sua supervisora ficou impressionada com o trabalho de Diana e comentou sobre o WorldSkills, um concurso para jovens de diversas profissões, de chefs a construtores.

A mãe de Diana ficou muito surpresa quando soube que a filha iria participar do evento. “Meus amigos também ficaram impressionados com meu hobby, mas todos me apoiavam e motivavam quando as coisas davam errado, e eu queria largar tudo”, conta. Para se preparar, ela treinou suas habilidades dia e noite.

No concurso, havia quatro módulos diferentes, cada um dedicado a um tipo particular de soldagem, tanto com tubos simples e instalações complexas, como com metais diferentes. Os juízes avaliaram a velocidade do trabalho, a qualidade, a aparência e a firmeza das criações. Enfim, Diana obteve o melhor resultado.

De aprendiz a professora

A soldagem é considerada um trabalho difícil e perigoso do ponto de vista físico e, por isso, a profissão acaba sendo dominada por homens. Quando alguns competidores do sexo masculino viram Diana, ficaram surpresos. Mas isso não a incomodou.

“Eu estava bem mentalmente, porque os meninos me trataram como iguais”, explica a russa. No entanto, ela afirma que gostaria de ser visto não tanto como uma soldadora, mas como uma “profissional capaz de realizar um bom trabalho”.

Até então, Diana já conseguiu dominar vários tipos de soldagem, mas admite que, além de si mesma, só conhece outras duas mulheres engajadas nesse tipo de trabalho. No entanto, esse número está prestes a aumentar, já que Diana vem dando master classes de soldagem para estudantes do ensino médio – tanto meninos como meninas.

Atualmente, a jovem combina essas aulas com os estudos na Universidade Russa de Transporte, em Moscou, e planeja continuar sua carreira profissional.

Após a vitória, Diana também ganhou a opção de se juntar à equipe nacional da WorldSkills e representar a Rússia nos campeonatos mundiais.

Uma faísca diferente

No momento, as prioridades de Diana são trabalho e estudo. Em seu tempo livre durante os fins de semana, geralmente lê em casa (gosta de Harry Potter) ou passeia no parque. Também gosta de se divertir com amigos da universidade, entre os quais alguns são soldadores. Ela admite que não gosta de sair à noite nem passa muito tempo nas redes sociais, mas está pensando em abrir uma conta no Instagram para expor seu trabalho. E, embora não tenha namorado atualmente, acredita que sua profissão não interferirá na vida pessoal. “Se uma pessoa realmente te ama, aceita tudo o que tem a ver com você, incluindo seus interesses”, conclui.

Conheça também o mestre russo que cria peças de design a partir de aço e ferro velho.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies