Surpresa na Rússia: a jornada de Ozzy Osbourne, de demônio a ídolo do rock

Getty Images
Líder do Black Sabbath e um dos fundadores do heavy metal, Osbourne foi duramente criticado na URSS, mas depois passou a ser idolatrado.

“O que não acontece no palco durante shows de heavy metal? Cabeças cobertas de sangue, cruzes serradas, tiroteio de padres e do próprio Jesus Cristo.” Assim descreveu a revista soviética “Sobriedade e Cultura”, em 1987, a banda de heavy metal em que Ozzy Osborne iniciou sua carreira musical e continuou após 2010.

Em algo que parecia parte de um programa de notícias soviético, o narrador disse que o Black Sabbath “prega a violência e o obscurantismo religioso. O líder da banda, Ozzy Osborne, foi descrito como um retrato “clássico de [alguém] com problemas de saúde psicológica e desintegração da personalidade” causado pelo grande tempo gasto no show business dos Estados Unidos. Essas declarações praticamente resumiam a atitude oficial da União Soviética em relação ao cantor norte-americano e sua banda.

No entanto, dois anos depois que este artigo foi publicado, o homem antes rotulado pela mídia como o “Príncipe das Trevas”, cujo estilo de vida envolvia muita bebida e drogas, visitou a URSS. Desde então, Ozzy esteve na Rússia várias vezes com o Black Sabbath, bem como solo. Seu último show no país ocorreu no início de junho. 

Belo país com pessoas miseráveis

A primeira visita de Ozzy à Rússia foi memorável. Era a época da perestroika e da nova abertura da União Soviética para o Ocidente. Moscou recebeu então o “Music Peace Festival”, no qual, além de Ozzy, outras estrelas do rock da época – Skid Row, Cinderela, Mötley Crüe, Bon Jovi e Scorpions – estiveram presentes.

Ozzy Osbourne durante show no Moscow Music Festival, em 1989

Ao lembrar de sua primeira visita à URSS, Osbourne confessou ter ficado “extremamente surpreso” pelo fato de tantas pessoas o conhecerem. “Eu não fazia ideia que eles sabiam coisas sobre mim, e, inesperadamente, vi cartazes feitos à mão: ‘Eu amo Ozzy’. Foi muito comovente e eu me senti grato por esse tipo de amor.”

Naquela época, ele expressou a esperança de que isso fosse “o começo de algo grande, grande e maravilhoso para a Rússia”. “É um país lindo. Realmente é. Mas as pessoas são tão miseráveis; elas não têm nada... Há filas... Ontem, vi uma fila para repolho. É ridículo e muito triste”, disse Ozzy Osbourne sobre a escassez de alimentos no final da União Soviética. Em uma visita mais recente, porém, o músico enfatizou como o país mudou ao longo das últimas décadas. 

Perdido no estádio

De acordo com um jornalista que conheceu Ozzy na época, e que também o entrevistou antes de seus recentes shows na Rússia, durante o festival de música, o cantor mostrou sua verdadeira personalidade e ficou absolutamente bêbado. Tanto que  acabou se perdendo no estádio Lujniki, onde o show estava sendo realizado.

No entanto, este era apenas o começo da abertura da URSS, e os membros das patrulhas voluntárias que estavam ajudando a polícia local não haviam tido a chance de ver Osbourne na TV nem sabiam como era o “padrinho do metal”. Eles não o reconheceram e confundiram o cantor bêbado e desorientado com “um encanador”, sob a influência de álcool, e o detiveram sem pensar duas vezes.

Foi graças à intervenção oportuna de um jornalista e à aparição dos guarda-costas particulares de Ozzy que o astro do rock escapou de uma visita à delegacia de polícia em Moscou. De certo modo, o roqueiro perdeu a chance de se tornar ainda mais familiarizado com a realidade tardia da sociedade soviética. 

Antepassados ​​reais

Quase 30 anos depois, durante os shows de 2018, a emoção foi igualmente visível quando Ozzy assinou sua estrela pessoal em Moscou e confessou o amor pela Rússia.

Ozzy Osbourne durante cerimônia de assinatura de estrela na Calçada da Fama no Vegas Crocus City, em Moscou, em 2018

De acordo com um estudo de DNA realizado há alguns anos, o “Príncipe das Trevas” é um parente distante do último imperador da Rússia, Nicolau 2º. Além disso, Osbourne tem sangue real do rei George 1º, bem como descobertas menos lisonjeiras que rastreiam sua ascendência ao fora da lei Jesse James e neandertais.

Algumas pessoas poderiam dizer que os últimos respondem pelo comportamento selvagem do cantor, dado a seu estilo de vida infame. Mas a primeira descoberta oferece uma ligação direta com o personagem com o qual Osbourne ficou fascinado uma década atrás – Grigóri Raspútin. Na verdade, o roqueiro estava compondo um musical sobre o místico e favorito da esposa de Nicolau 2º, a imperatriz Aleksandra.

Ao descrever Raspútin, o cantor apontou os hábitos de Grigóri como um beberrão pesado, mulherengo e outros elementos na mesma linha que faziam do favorito do tsar “um verdadeiro rock star”. Ele estava obviamente traçando paralelos com seu próprio estilo de vida, mas, talvez, houvesse mais que isso? O sangue real russo correndo suas veias precipitou o interesse pela figura mística? Quem sabe.

Curte rock? Então relembre esses 8 astros do cenário russo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies