Bebê russo de um ano de idade já é ‘globetrotter’

Irina Lugovaya's archive
Seriôja está viajando com a mãe, uma consultora de relações públicas, e o pai ao redor do mundo.

A mãe de Seriôja (apelido de Serguêi), Irina Lugovaia, conta ao Russia Beyond os desafios de viajar ao redor do mundo com um bebê.

Conte um pouco sobre a viagem. Quando você partiu e quando planeja voltar?

Nossa viagem começou em outubro de 2017 e planejamos viajar por um ano antes de retornar, no final de setembro deste ano. Até agora fomos à Sicília, Córsega, Moncofa (perto de Valência), Bavaro ( República Dominicana) e San Cristóbal de las Casas (no México).

Resolvemos passar um mês em cada país por dois motivos: primeiro, para evitar nos estressar demais com mudanças o tempo todo e, em segundo, porque é mais barato alugar apartamentos por períodos mais longos.

Em março, começamos a nos movimentar um pouco mais. Passamos dez dias na Cidade do México, sete em Sydney, quatro em Melbourne e agora ficamos em Bali até o final do mês. Depois, planejamos ir para a Coreia do Sul e, de junho a setembro, viajar pela Rússia.

Por que você decidiu levar seu filho para viajar?

Tem gente que nos dize que somos muito corajosos em viajar com uma criança pequena, mas nossa vida sempre teve muitas viagens ao redor do mundo, então a gente simplesmente não tive outra escolha senão se adaptar.

O Seriôja, nosso filho, acostumou-se muito rapidamente. Ele tem um ano e meio de idade, e já esteve em 12 países e fez 17 voos, entre eles um transatlântico de oito horas e meia, e uma viagem através do Pacífico de 15 horas.

Eu sempre me interessei por lugares novos, gosto de explorar as novidades e vejo que ele fica muito animado quando eu lhe digo que logo pegaremos um avião.

Tudo começou em janeiro de 2014, quando fomos pela primeira vez a Portugal para fugir da clima cinza de Moscou. É completamente viável viver junto ao mar na Europa, é muito confortável. Há muito mais sol, um ambiente descontraído e alimentos frescos.

No ano seguinte, passamos janeiro na Grécia, nos arredores de Atenas. Em 2016, fomos para a Sicília com nosso filho - ele só tinha três meses na época.

No ano passado, passamos janeiro e fevereiro em Montenegro. Foi tão bom e eu sabia que era bom para nós respirar a brisa fresca do mar e tomar um sol para fazer vitamina D.

No verão, enquanto a gente pensava sobre nosso destino no próximo inverno, dissemos: por que só no inverno? Por que não viajar  mais tempo? Meu marido propôs à chefia - a agência de viagens on-line Biletix.ru – que isso acrescentaria um papel de “embaixador” da marca a seus serviços gerais de relações públicas e que ele continuaria trabalhando enquanto viajava pelo mundo, e eles concordaram.

E a preparação para a sua viagem? O que você julga mais importante nesta fase?

Nós nos certificamos de que todos os nossos equipamentos eletrônicos estejam funcionando bem (meu marido chegou a dar um upgrade e comprou um laptop novo) e estocamos coisas difíceis de encontrar em outros países, como as lentes de contato a que eu estou acostumada ou algum remédio específico. Também consultamos alguns médicos para minimizar os riscos de precisarmos de assistência médica no exterior.

Quanto ao seguro, nós compramos diferentes seguros todos os meses, porque às vezes nossos planos são incertos e o preço pode ser melhor comprando para países determinados, e não para o mundo inteiro. Não precisamos de nenhuma vacinação especial porque não planejamos ir a nenhum país perigoso.

Por viajarmos para muitos países em diferentes estações do ano, é importante pensar nas roupasa e levar coisas para todos os tipos de clima. Isto foi especialmente difícil porque só podíamos levar duas peças de bagagem de 23 kg cada, e eu acabei tendo que comprar pacotes a vácuo para fazer tudo caber.

Como você organiza suas finanças enquanto viaja?

Meu marido trabalha enquanto viaja, e basicamente viajamos com o que ele ganha. É claro que temos algum dinheiro extra que economizamos antecipadamente, mas tentamos não usá-lo e até agora conseguimos.

Este é outro motivo pelo não estamos de férias: planejamos nosso orçamento com cuidado e não vamos muito a restaurantes. As emoções e impressões tiradas desta viagem são tão brilhantes e vivas que valem totalmente a pena. Também temos um "envelope de emergência" (com dinheiro dentro) para o caso de algo acontecer e precisarmos voltar para casa de repente.

Conte algumas situações interessantes e memoráveis ​​ durante essas viagens...

Situações inesperadas aconteceram em quase todos os países onde estivemos. Na Sicília, meu marido quebrou o braço enquanto corria. Acontece que o seguro não cobre esse tipo de acidente (é claro que mudamos de companhia de seguros posteriormente).

Ainda bem que o dono do apartamento que tínhamos alugado deu entrada com meu marido em um hospital usando seu próprio seguro. Ele teve que ficar imobilizado por um mês, então quando nos mudamos da Sicília para Córsega, só tínhamos três mãos.

Foi um grande desafio: duas malas pesadas, duas mochilas, uma enorme mala de mão e um bebê no carrinho. Além disso, não havia voos diretos, então tivemos que pegar um trem o Gênova e, depois, uma balsa para Bastia. Mas conseguimos e o braço dele está bom agora.

Em Córsega, tivemos um problema inesperado com o apartamento. Por causa da diferença de temperatura entre o interior e o exterior da casa, houve uma condensação nas paredes e nas janelas de manhã, e o lugar encheu-se mofo por toda parte.

O dono não fez nada, então tivemos que lidar com isso sozinhos – acabei aprendendo que o bicarbonato de sódio é bom para combater mofo.

Que conselhos você daria para alguém que quisesse ir viajar com uma criança, mas estivesse com muito medo?

O mais importante é como você se sente. As crianças conseguem ver exatamente como a pessoa se sente, por isso, se você está com muito medo ou nervoso, seu bebê vai ficar estressado também e a viagem será um pesadelo para todo mundo.

Se você está confiante e acha que tudo vai dar certo, será ótimo. Você gosta de viajar? As crianças também. Na maioria das vezes, os pais têm mais medo e preocupações do que as crianças. Então, por que não aproveitar juntos? Será uma das maiores lembranças do resto das suas vidas.

Curtiu? Então leia “Amamentação em público divide opiniões na Rússia

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais