Estudante sobrevive um mês inteiro com bolsa de R$ 90 em São Petersburgo

Alexey Zyryanov
O estudante Aleksêi Zirianov, que está no segundo ano da Universidade Estatal de São Petersburgo, desafiou-se a viver com subsídio mensal de 1.572 rublos (R$ 90). Seguiu uma dieta rigorosa, perdeu cinco quilos e agora inspira outros. Leia abaixo um relato em primeira pessoa da experiência vivida por Zirianov.

No decorrer de um mês, comi aveia e trigo-sarraceno, um quilo de ervilhas, 150 ovos, cinco repolhos, três barras de chocolate, dez bananas, além de cenouras e torrone.

Gastei no total 100 rublos (R$ 5,75) para comprar produtos feitos localmente, como papel higiênico, sabonete, pasta de dente e sabão em pó.

Exclui itens alimentares caros de minha dieta. Nada mudou além disso. Não havia nada em particular de que eu realmente sentisse falta. Antes, consumia mais proteína: frango e shakes de proteína, mas era só isso.

Eu não incentivo ninguém a sobreviver com R$ 90 por mês. Eu uso meu próprio exemplo para demonstrar que há um grupo mínimo de alimentos saudáveis ​​com os quais se pode sobreviver acrescentando outros itens saudáveis.

A falta de dinheiro não deve impedir que estudantes talentosos de famílias com baixa renda venham estudar nas melhores universidades de Moscou e São Petersburgo.

Qualquer pessoa, independentemente de sua situação financeira, deveria ter a possibilidade de entrar em uma universidade e tentar sobreviver com um subsídio mensal do governo por algum tempo, seja um, dois ou três meses. Não estimulo as pessoas a viverem assim durante os quatro anos de estudos.

Uma pessoa pode crescer e melhorar quando se gasta apenas R$ 90. Lazer de verdade geralmente vem de graça: leitura, filmes e interação com amigos e familiares. Eu moro em uma cidade muito bonita, São Petersburgo, onde uma simples caminhada é uma fonte de grande prazer.

Grupos do Instagram, como Spbnomoney, oferecem grande variedade de master classes e shows gratuitos. Se você é uma pessoa esperta e adora ler livros, então não há problema na vida.

Se, pelo menos, uma pessoa começar o dia comendo aveia no café da manhã depois desse experimento, então acredito que tudo o que fiz foi por um bom motivo.

Recebi muitas mensagens de apoio de várias pessoas que ofereceram conselhos e felicitações. Quero fazer outros projetos e desafios, porque vejo que muitas pessoas ficaram inspiradas. Ajudar os outros é a melhor coisa que se pode fazer na vida.

Aleksêi Zirianov está no segundo ano da Universidade Estatal de São Petersburgo. Para saber sobre seus próximos desafios, basta segui-lo no Instagram.

Curtiu? Leia também "Seminarista hipster: um dia na vida de um futuro padre".

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies