Tragédia em Kemerovo: o que se sabe até agora

Mulher aos prantos durante evento para homenagear as vítimas da tragédia de Kemerovo. Foram registradas mais 30 reuniões do tipo em toda a Rússia

Mulher aos prantos durante evento para homenagear as vítimas da tragédia de Kemerovo. Foram registradas mais 30 reuniões do tipo em toda a Rússia

Global Look Press
Enquanto russos prestam condolências a vítimas de incêndio, circulam nas redes rumores sobre o verdadeiro número de mortes. No entanto, número oficial de vítimas permanece inalterado à medida que a investigação prossegue.

Igor Vostrikov, de Kemerovo (a 3.600 km de Moscou), tornou-se um símbolo da tragédia que acometeu a sua cidade no último domingo (25) – ele perdeu a mulher, três filhos e sua irmã no fogo que se alastrou pelo shopping center local “Zimnyaa Vishnya”. Durante o ocorrido, os familiares de Vostrikov ficaram encurralados atrás das portas fechadas de uma sala de cinema e não tiveram como escapar com vida.

“Eu não tenho nada a perder. Minha vida acabou”, disse Vostrikov. Segundo os dados oficiais, 64 pessoas morreram, incluindo 41 crianças. Agora, Kemerovo e a Rússia toda estão procurando uma maneira de lidar com a dor – e identificar os culpados.

Luto nacional 

Memorial improvisado na Praça Dvortsovaya, em São Petersburgo

Embora tenha sido decretado luto nacional nesta quarta-feira (28), os atos de solidariedade em relação à população de Kemerovo começaram mais cedo em todo o país. Na terça (27), pessoas se reuniram em mais de 30 cidades, de Kaliningrado a Vladivostok, para homenagear as vítimas. Calcula-se que em torno de 12 mil pessoas tenham se unido em silêncio na cerimônia realizada na Praça Púchkin, em Moscou.

“Eu não podia simplesmente ficar em casa e não fazer nada – vi imagens de crianças caindo das janelas do shopping. Foi horrível”, disse um jovem chamado Alexander. 

Cerimônia em memória às vítimas de Kemerovo na Praça Púchkin

“É claro que não se pode mudar nada. É claro que ninguém aqui entende um centésimo do sofrimento daqueles que perderam seus filhos. Mas todos nós estamos com medo também. Acho que estou aqui para ajudá-los a carregar esse fardo e ver que não estou sozinha”, disse Iana, professora em São Petersburgo, à imprensa local.

Investigação aponta para negligência

O presidente russo Vladimir Putin chegou a Kemerovo na terça (27) junto com os diretores do Comitê de Investigação (CI) e do Ministério para Situações de Emergência da Rússia. Segundo relatórios preliminares, o incêndio teria sido causado por um curto-circuito. No entanto, na manhã desta quarta-feira (28), a agência de notícias TASS informou que o fogo poderia ter de fato iniciado na área de recreação para crianças, onde havia uma piscina seca cheia de cubos de espuma.

Funcionário do Ministério para Situações de Emergência da Rússia em meio aos escombros de shopping incendiado

O chefe do CI, Aleksandr Bastrikin, também destacou que o sistema de alarme no shopping center não funcionava desde o último dia 19 de março – e ninguém havia tomado providência a respeito disso. Além do mais, depois que o fogo começou, o guarda responsável, que já foi detido pelos investigadores, não acionou o sistema de alarme. “Não entendemos por que – um homem não qualificado”, disse Bastrikin.

Outro fator que tem intrigado a perícia é o fato de as saídas de emergência terem sido bloqueadas para que as pessoas não escapassem. “O centro comercial foi reconstruído [há anos] com muitas violações, incluindo estruturais”, acrescentou o chefe do CI.

Em conversa com os cidadãos de Kemerovo, Putin garantiu que uma “investigação abrangente” está sendo conduzida e que “todos os culpados serão punidos”.

Ainda nesta quarta, o vice-governador de Kemerovo e o diretor do departamento de política interna da região foram exonerados. 

Brincadeira fora de hora

Enquanto isso, correm na internet boatos de que a quantidade real de mortos é muito maior do que os números oficiais – até 335 corpos estariam sido secretamente mantidos em necrotérios. A informação, porém, foi refutada após vistoria na região.

Shopping Zimnyaa Vishnya após incêndio que matou 64 pessoas

O veículo de comunicação Village também verificou quantos ingressos foram vendidos para o cinema no shopping (grande parte das vítimas morreu em uma das salas) e confirmou a provável veracidade dos números oficiais.

Mais tarde, soube-se que os rumores teriam se espalhado após um trote feito a um necrotério, no qual o interlocutor pergunta se havia espaço suficiente para 300 corpos. O ucraniano Evguêni Volnov assumiu ter sido o responsável pela ligação, alegando que queria “mostrar aos russos no que eles transformaram seu Estado”.

“O ódio contra os ucranianos [na Rússia] existe e se espalha por causa de aberrações como ele”, escreveu o jornalista ucraniano Anatôli Shary em seu Twitter.

A informação oficial sobre o número de vítimas continua a mesma: 64 mortos, dentre eles 41 crianças. O Ministério para Situações de Emergência informou nesta quarta que todos os corpos foram encontrados, e os primeiros funerais já foram realizados.

Veja mais informações sobre tragédia em Kemerovo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies