6 criações da URSS que os russos ainda usam bastante

Quando o regime soviético entrou em colapso, muitos bens de consumo da era comunista seguiram o mesmo caminho. Utensílios de cozinha, brinquedos infantis e produtos de beleza então apreciados ficaram apenas na memória. Outros itens, porém, continuaram sendo produzidos e são consumidos pelos russos ainda hoje.

1. Podstakannik (porta-copo de chá)

Essa maneira de servir chá em trens de longa distância geralmente fascina turistas estrangeiros. O atendente do trem oferece às pessoas chá em um copo apoiado em um porta-copo de metal, que responde pelo nome de “podstakannik” em russo.

O “podstakannik” protege o vidro, assim como evita queimar as mãos de quem consome o chá. Os primeiros modelos desse tipo de porta-copo surgiram antes mesmo de 1917, mas eles se tornaram especialmente populares nos tempos soviéticos e foram usados ​​pelo governo da época para fins de propaganda.

Artesãos especializados gravavam temas diversos nos “podstakanniks”, e havia edições especiais dedicadas ao aniversário do líder comunista Vladímir Lênin, às cidades soviéticas e aos congressos do Partido Comunista.

Atualmente, os “podstakanniks” costumam estampar o nome de um trem, por exemplo, do famoso comboio noturno chamado “Flecha Vermelha” (que liga Moscou a São Petersburgo), bem como o logotipo da estatal Russian Railways, símbolos da cidade, imagens de atrações turísticas e até marcas, no caso de presentes comerciais.

2. Doces de chocolate ‘Mishka na severe’

Em 1939, a Fábrica de Doces Krupskaya, em Leningrado (atual São Petersburgo), começou a produzir doces de chocolate recheados de nozes, chamados “Mishka na severe” (Urso no Norte, em tradução livre). Durante o Cerco de Leningrado, a fábrica foi obrigada a substituir alguns ingredientes, mas não cessou a produção.

A famosa imagem do urso branco na embalagem foi projetada pela artista Tatiana Lukianova e foi usada até 2010. Neste ano, porém, uma nova imagem do urso foi introduzida, mas muitos russos não gostaram da mudança. Hoje, esses doces estão disponíveis em embalagens antigas e novas para que os consumidores escolham.

3. Perfume “Krasnaya Moskva”

Reza a lenda que esse perfume foi originalmente criado para a imperatriz Maria Feodorovna, a mãe de Nicolau 2º. Na URSS, o Krasnaya Moskva (Moscou Vermelha, em tradução) tornou-se um perfume muito procurado e usado em ocasiões especiais.

“Elegância” é a palavra que as mulheres usavam para descrever essa fragrância floral. Hoje, entretanto, o perfume se tornou bem mais acessível e pode ser encontrado, em média, por cerca de 500 rublos (pouco menos de 30 reais).

Muitas jovens consideram o cheiro antiquado e demasiadamente forte, mas o produto ainda é bastante consumido no país, seja por curiosidade ou nostalgia.

4. Quebra-gelos

A URSS foi o único país do mundo que construiu uma frota de quebra-gelo nuclear. O primeiro desses navios, chamado Lênin, foi lançado no final da década de 1950, tornando-se o primeiro navio civil de propulsão nuclear. O Lênin foi projetado para expedições no Ártico e navegou mais de 150 mil km em 30 anos de serviço.

Outros quebra-gelos famosos incluem o URSS, Rússia, Sibir, Iamal e 50 anos da Vitória. Este último foi por muito tempo o maior quebra-gelo do mundo e ainda navega pelas águas do Ártico – inclusive, guiando viagens de cruzeiro. Os hóspedes a bordo desses navios têm acesso a restaurante, piscina, sauna e até mesmo uma biblioteca. Esse tipo de aventura, no entanto, custa quase R$ 80 mil por pessoa.

A maioria dos quebra-gelos da era soviética se tornaram obsoletos, mas o governo russo vem investindo em novos modelos. O quebra-gelo, Arktika, o maior da atualidade, foi lançado em 2016, mas não deve ser entregue antes de 2019.

5. Espumante soviético

A ideia por trás da criação de um espumante soviético era disponibilizar álcool de qualidade para os cidadãos soviéticos comuns. A forma tradicional de produzir espumante por meio de uma longa fermentação em garrafas era bastante oneroso. Portanto, a URSS criou seu próprio método e passou a realizar a fermentação em tanques especiais; isso reduzia o tempo e o custo de produção. A versão soviética de espumante se tornou rapidamente popular, além de item indispensável durante as celebrações de Ano Novo, casamentos e outras ocasiões especiais.

Após a URSS, o espumante produzido localmente manteve seu forte apelo na Rússia e, hoje em dia, é até exportado. O nome oficial dessa bebida é “Sovetskoye Shampanskoye” (Champagne Soviética, em tradução livre), enquanto a versão para exportação é chamada de “Vinho Espumante Soviético” – a Rússia negocia com a França há vários anos o direito de deixar a palavra “champanhe” escrita em cirílico em suas garrafas, mas nenhum acordo conclusivo foi alcançado até então.

6. Bolsa tipo saco

A palavra russa para bolsas ou mochilas tipo saco, “avoska”, poderia ser literalmente traduzida como “talvez bolsa”. A palavra avos expressa uma estranha esperança de sorte, e na URSS, onde havia escassez da maioria dos bens, o nome era perfeito. A bolsa parecia uma rede, e tudo o que ia dentro era visível para os outros. Mas isso não incomodava os soviéticos, pois estavam acostumados a certa falta de privacidade.

Quando as bolsas de plástico foram introduzidas no país, na década de 1990, a “avoska” perdeu espaço, mas ainda pode ser vista nas ruas de vez em quando. Pelo menos, é muito mais ecológica – e, nesse sentido, estava à frente de seu tempo.

Gostaria de continuar lendo sobre a vida na USSR?
Leia "URSS: como a população (literalmente) construiu um novo país"

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies