Um a cada dois russos fala palavrões no trabalho, revela pesquisa

Pixabay
Jovens e homens são maioria entre os funcionários que menos medem as palavras antes de falar. Setor de construção é o primeiro entre os “bocas-sujas”.

De acordo com os dados coletados pelo gigante russo da internet Mail.ru Group, quase metade de todos os funcionários de pequenas e médias empresas (49%) falam palavrões durante o trabalho. A pesquisa incluiu 1.100 usuários do Mail.ru.

Entre os mais boca-suja estão jovens (de 25 a 40 anos), e homens – estima-se que 59% deles usem palavrões no serviço, conta 32% das mulheres.

Em relação aos setores da economia, o de construção é o que apresenta maior índice de funcionários sem papas na língua, com 64% das pessoas que trabalham nessa área falando palavrões regularmente. Os setores de indústria e imprensa vêm segundo e terceiro, respectivamente (60% e 58%), e o de educação, como era previsto, ocupa o último lugar na lista (17% que atuam nessa esfera falam palavrões em serviço).

O estudo revelou também os motivos que levam as pessoas a usar língua considerada imprópria. As principais razões são aborrecimento no trabalho (citado por 60% dos entrevistados), descomedimento (57%) e “a necessidade de se explicar com mais clareza” (41%). No entanto, diversos funcionários russos disseram não se orgulhar da postura, e 50% dos respondentes afirmaram que gostariam de falar menos palavrão.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies