Vovó russa ganha fama com vídeos em chroma key no YouTube

A aposentada lançou canal no YouTube em 2012 e virou sensação internacional.

A aposentada lançou canal no YouTube em 2012 e virou sensação internacional.

Arquivo pessoal
Em seu canal, Tatiana Subbotina também ensina a usar softwares de edição de vídeo.

A aposentada russa Tatiana Subbotina ficou famosa com os truques de chroma key que usa nos vídeos de seu canal do YouTube. Para quem não sabe, o chroma key é uma técnica de produção de vídeo que envolve o uso de roupas ou cenários de cor verde berrante que, durante a edição, é substituído por tudo o que se pode imaginar.

Assim, a vovó Tatiana inventa vídeos se banhando em um mar artificial, nadando com uma cauda gigante de baleia ou dirigindo um conversível em meio a paisagens incríveis.

As produções fizeram com que a aposentada ganhasse uma legião de fãs, principalmente usuários da rede social russa VK, considerada o “Facebook russo”. Foi nesta rede que os primeiros vídeos de Tatiana ficaram conhecidos, em uma comunidade dedicada a efeitos visuais.

A aposentada vive na cidade de Saianogorsk, 3.400 km a leste de Moscou, e lançou seu canal no YouTube em 2012. Seus primeiros vídeos mostravam viagens pela Tailândia.

Seu vídeo mais popular, que mostra a senhora contando uma piada em meio a ondas artificiais, já teve mais de 145 mil visualizações.

Tatiana também produz animações para crianças usando imagens da personagem Peppa Pig e de seus amigos em fundos de chroma key. Seu canal inclui diversos tutoriais sobre como usar o chroma key e o programa de edição Premiere Pro, da Adobe.

Muitos usuários do YouTube agradecem a aposentada pelos vídeos e a encorajam a continuar postando.

“Suas explicações sobre edição de vídeo no Premiere são didáticas, algo que eu realmente precisava, porque acho o software muito complexo”, comenta um dos usuários.

Além de editar vídeos, Tatiana complementa a renda vendendo comida. Antes de se aposentar, ela trabalhava na área de educação.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais