Nova startup conecta gerações oferecendo vovós de aluguel

“Vovô e vovó por uma hora” oferece o tempo de idosos para levar crianças à escola ou apenas compartilhar histórias a cerca de R$ 12 por hora.

“Vovô e vovó por uma hora” oferece o tempo de idosos para levar crianças à escola ou apenas compartilhar histórias a cerca de R$ 12 por hora.

Legion Media
Serviço ajuda a manter tradição e manter idosos ocupados e remunerados ao mesmo tempo em que pais podem ganhar algum tempo livre das tarefas.

Um novo serviço lançado em Moscou quer ajudar idosos russos a conseguir uma fonte de renda extra enquanto preenchem o tempo livre na aposentadoria.

A ideia é que famílias encontrem vovôs e vovós postiças para passarem algumas horas com seus filhos – já que no país é tradição os avós cuidarem dos netos e, com as mudanças ocasionadas pela busca por emprego, isso tem mudado um pouco de figura.

Pelo aplicativo, os vovôs e vovós de plantão levariam as crianças à escola, ajudariam com a lição de casa e compartilhariam suas histórias.

O projeto já está em operação em Moscou e arredores e tem apoio de organizações como a Agência Russa para Iniciativas Estratégicas e o Fundo de Desenvolvimento de Iniciativas de Internet.

“Tive esta ideia quando estava escrevendo minha tese de doutorado em Barcelona. Então, eu pesquisava como a interação ocupacional e entre gerações influencia as funções cognitivas entre as pessoas mais velhas”, contou ao Russia Beyond Natalia Linkova, cofundadora do “Vovô e vovó por uma hora”.

“É muito importante que eles se sintam úteis e capazes de ajudar. Além disso, eles não rejeitam uma renda extra”, completa.

Com uma média de preço de 250 rublos (R$ 12) por hora (o período mínimo é de três horas), o serviço trabalha atualmente com mais de 1.500 vovós e vovôs em Moscou e seus arredores.

Segundo Linkova, a maior parte deles é parte da intelectualidade: 27% dos candidatos têm experiência acadêmica e quase 70% têm formação superior – por vezes, até dois ou três diplomas e um histórico de carreira exemplar.

A julgar pelas avaliações, os pais estão encantados: “Nossa vovó Ludmilla tinha uma energia fora do comum. Ela contou para nós e nossos filhos sobre sua vida no Iêmen e em Moçambique e fomos a museus juntos. As crianças estão super empolgadas!”, lê-se em um dos comentários.

“A vovó Tatiana influenciou nosso filho a amar a leitura. Eles liam e encenavam contos juntos e ele chegou até a aprender alguns poemas”, escreve outra mãe.

Idosos podem ainda fazer cursos oferecidos pelo projeto, que são custosos mais garantem retorno em clientes.

O projeto tem até um programa educacional para ensinar pessoas acima dos 45 anos a se comunicarem com crianças e pais, reagir em situações de conflito e prover primeiros socorros, assegurar a segurança da criança fora de casa e entretê-la em casa.

O programa tem duração de dois dias e custa 5.500 rublos (quase R$ 300), mas promete ofertas de trabalho garantidas posteriormente. Para aqueles que já são registrados, o preço do serviço é mais baixo, de 2.000 rublos (R$ 105). Em alguns locais, ele é oferecido gratuitamente.

Um curso similar é oferecido para enfermeiras potenciais. Além de olhar as crianças, o serviço oferece ajuda especializada para aqueles que requerem cuidados especiais – isso ajuda a encontrar enfermeiras treinadas a cuidar de parentes mais velhos e pacientes acamados.

“Além desses serviços, tentamos conectar as gerações por meio do curso ‘Instabábuchka’. Nele, meninas ensinam mulheres mais velhas a usarem o Instagram e outras ferramentas on-line, inclusive serviços de namoro on-line. Duas de nossas ‘vovós’ encontraram seus amores na Europa como resultado dessa interação. Então nossos jovens professores e vovós e vovôs se ensinam mutuamente muitas coisas”, diz Linkova.

Projetos similares de “bábuchka por uma hora já foram testados no interior da Rússia. Em 2012, a Fundação de Caridade Baikal lançou o “Vovó por uma hora” junto com o Ministério da Segurança Social na república de Buriátia.

Mais tarde, a ideia foi adotada em Ivânovo, Níjni Nôvgorod, Oriôl e Vladímir como parte dos programas de segurança social e era oferecida gratuitamente, mas em Moscou ela ainda não tinha recebido apoio do governo.

A própria Linkova, porém, não acredita que tais programas sociais sejam viáveis em longo prazo.

“Essas iniciativas geralmente implicam em trabalho voluntário. Mas, para pessoas idosas, especialmente com passados profissionais grandiosos e habilidades acadêmicas, isso não é justo. Sou fortemente contra tal tipo de trabalho não pago: eles deveriam pelo menos ganhar algum tipo de remuneração por seus esforços”, diz.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais