Brasil pede que Rússia suspenda proibição sobre importação de carne

Doerr, C. & R./Global Look Press
Segundo embaixador brasileiro, o país está pronto para garantir a qualidade de sua produção bovina e suína.

O Brasil pediu que a Rússia suspenda a proibição sobre a importação de carne bovina e suína brasileira, introduzida em 1 de dezembro de 2017, segundo anunciou na última segunda-feira (8) o embaixador do Brasil em Moscou, Antonio Salgado, durante o encontro com o diretor do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor), Serguêi Dankvert.

Segundo Dankvert, serviço estudará com atenção os novos dados sobre os frigoríficos brasileiros e avaliará a capacidade dos fabricantes em cumprir com os requisitos da legislação russa.

Após a análise, os dois países iniciarão as negociações com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil, segundo o diretor do Rosselkhoznadzor.

Além disso, Dankvert afirmou que ainda existe uma significativa disparidade no comércio bilateral entre a Federação Russa e o Brasil. Assim, as exportações brasileiras para a Rússia, em 30 de setembro de 2018, são estimadas em mais de US$ 1 bilhão, enquanto os fornecimentos russos não excedem os US$ 5,3 milhões. 

O desequilíbrio poderia ser reduzido pelo aumento das importações brasileiras de peixes e grãos russos, segundo Dankvert.

A Rússia proibiu o fornecimento de carne suína e bovina do Brasil em 1 de dezembro de 2017, devido à repetida detecção do hormônio ractopamina, substância usada como suplemento alimentar para acelerar o crescimento de animais, sobretudo de sua massa muscular, e reduzir os custos de produção.

A medida segue a legislação russa, que proíbe o uso de ractopamina e outros estimulantes para crescimento e engorda de animais, bem como a importação de produtos que contenham essas substâncias.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies