Por que as greves de caminhoneiros não paralisam a Rússia?

Caminhoneiros em protesto contra sistema Platon, na região de Moscou

Caminhoneiros em protesto contra sistema Platon, na região de Moscou

Ramil Sitdikov/Sputnik
No ano passado, várias regiões russas registraram protestos contra o aumento de tarifas –  assim como os realizados recentemente no Brasil. No entanto, as ações na Rússia não assumiram e dificilmente tomariam tamanha proporção.

Algo parecido com o que o Brasil vivenciou recentemente aconteceu na Rússia em abril do ano passado e no final de 2015. Centenas de caminhões participaram de protestos contra o aumento de tarifas, bloqueando o tráfego nas vias por completo ou se movendo em velocidade extremamente baixa, de 5 a 10 quilômetros por hora.

A greve mais recente foi iniciada pelos motoristas por causa da introdução do sistema Platon, um novo imposto sobre veículos de 12 toneladas que circulam pelas rodovias federais – o que, segundo dados da Associação Siberiana de Transportadoras, elevaria o custo dos produtos transportados em uma faixa de 5% a 10%. 

Protestos tomaram várias cidades russas em 2017

Mas, em ambos os casos na Rússia (em 2015 e em 2017), quase não houve consequências drásticas das greves para a população como um todo, ainda que, em alguns lugares, os protestos tenham levado ao aumento dos preços. Por exemplo, no Daguestão (região no Cáucaso do Norte, onde a maioria dos caminhoneiros se mostrava insatisfeita com o sistema Platon), a inflação sobre os preços dos produtos cresceu de 2,24% para 3,7%, após os protestos de 2017. No entanto, as manifestações não chegaram perto de concretizar as previsões assustadoras de que ataques dos caminhoneiros paralisariam as estradas russas. De acordo com as autoridades locais, apenas 0,01% de todos os motoristas participaram dos protestos no ano passado.

A quinta maior

O transporte de mercadorias por caminhões responde por uma parcela considerável do transporte total de carga na Rússia – com uma participação mais de três vezes superior à das ferrovias (5 bilhões de toneladas, contra 1,3 bilhão de toneladas; 2015).

A Rússia dispõe de uma rede de estradas bem desenvolvida, e o país ocupa o quinto lugar no mundo (atrás do Brasil), com quase 1,5 milhão de quilômetros de estradas. 

Rodovia nos arredores de São Petersburgo

Essa rede cresceu paralelamente com a expansão do território russo, e o desenvolvimento da infraestrutura de estradas da Rússia medieval foi impulsionado pelos tártaros. Depois de conquistarem a Rússia no século 13, esses invasores, embora considerados cruéis, introduziram o sistema de paradas especiais ao longo das estradas que forneciam cavalos para os mensageiros e cuidavam das condições das estradas. Isso tornava a comunicação muito mais fácil. No entanto, foi apenas a partir do governo do tsar Pedro, o Grande, no início do século 17, que o Império definiu a construção de estradas como uma das suas prioridades. A construção dessas vias também foi intensificada durante o segundo grande programa de modernização da Rússia, sob o comando de Stálin, a partir dos anos 1930.

Febre ferroviária

No entanto, seria errado concluir que o transporte por caminhão assume posição dominante no mercado de transportes russo. Ao analisar a movimentação de carga calculada em toneladas-quilômetro (o resultado da multiplicação do volume de mercadorias transportadas pela distância), percebe-se a verdadeira posição do transporte por rodovia: dez vezes menor que o por trilho; segundo dados de 2015, compreendeu apenas 232 bilhões de toneladas-quilômetro, contra 2.306 dos trens. Isso significa que as ferrovias fornecem transporte de mercadorias para longas distâncias, enquanto o transporte por caminhões cobre sobretudo viagens curtas. Em outras palavras, as ferrovias de transporte desempenham um papel mais relevante.

Trens de carga no interior da Rússia

As ferrovias russas alcançaram essa posição central na rede de transporte russa em um tempo relativamente curto. A primeira ferrovia apareceu na Rússia em 1837, mas o boom da construção de linhas férreas se deu algumas décadas depois, depois que, em 1865, foi estabelecido o Ministério dos Transportes. Na época, foi dada ênfase à criação de conexões entre Moscou e as bases de matérias-primas e produtos, bem como às principais regiões produtoras de pão com os portos, já que interesses econômicos imperavam. No início dos anos 1870, a Rússia foi pega pela “febre ferroviária”, quando os investimentos na construção de linhas eram bastante atraentes.

No final do século 19, começou a ser construída a Ferrovia Transiberiana. Essa estrada por trilho liga a parte europeia da Rússia com a região dos Urais, a Sibéria e o Extremo Oriente e tem significado estratégico para a Rússia. Estendendo-se ao longo de 9.000 quilômetros, é a ferrovia mais longa do planeta. Até hoje, as ferrovias da Rússia são as segundas mais longas do mundo, depois dos Estados Unidos.

Construção de ferrovia na Sibéria

Vitória pela metade

A desenvolvida rede de ferrovias foi um dos fatores pelos quais os protestos dos caminhoneiros não conseguiram paralisar o país em nenhuma das duas ocasiões. Os observadores apontam para o fato de que, após a greve iniciada no final de 2015, “parte das empresas transferiu suas mercadorias para as ferrovias” – embora mais tarde tenham voltado para os caminhões, quando as ferrovias aumentaram as tarifas.

Ainda assim, os manifestantes conseguiram, em parte, alcançar seu objetivo – o governo diminuiu temporariamente as taxas planejadas, o que desempenhou papel fundamental no abrandamento da crise.

Trecho da Ferrovia Transiberiana na região de Omsk

Sabia que, além de questões econômicas, a construção da Transiberiana foi estimulada pela expansão chinesa? Leia mais.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies