Quais profissionais estão em alta na Rússia?

AP
Especialistas em TI ou agricultura tem boas chances de encontrar emprego no país.

Até 2030, o mundo poderá enfrentar uma drástica escassez de pessoal altamente qualificado, de acordo com pesquisa do Korn Ferry Hay Group.

Para a Rússia, isso poderia significar a falta de 2,8 milhões de trabalhadores altamente qualificados, o que poderia levar a perdas de até US$ 300 bilhões para as empresas locais.

Hoje, o país já registra uma carência de profissionais em determinados setores. A empresa de recrutamento Antal estudou este fenômeno baseando-se no tempo que os candidatos levam na busca por determinados empregos. De acordo com o diretor da empresa, Michael Germershausen, na atualidade, 41% dos especialistas em TI conseguem encontrar um novo emprego em menos de um mês na Rússia.

Na atualidade, por exemplo, 41% dos especialistas em TI conseguem encontrar um novo emprego em menos de um mês na Rússia.

“Todos pensam que o mercado de trabalho está inundado de candidatos, mas ainda muitas empresas não conseguem encontrar pessoal altamente qualificado e com boa experiência”, diz Germershausen.

Tecnologia da informação

Devido ao constante desenvolvimento de novas tecnologias de informação, não há tempo hábil para treinar o pessoal necessário em tecnologia da informação.

“O mercado de TI é determinado pelos próprios candidatos, e os empregadores precisam se adaptar à oferta. Os especialistas em TI estão menos preocupados com os salários, que geralmente são bastante altos, mas prestam muita atenção a outros fatores, como a natureza do projeto, responsabilidades e oportunidade de aprender coisas novas”, explica Germershausen.

De acordo com o buscador de vagas russo Headhunter.ru, a demanda por analistas de dados, programadores e especialistas técnicos é muito alta atualmente.

Indústria manufatureira

Trabalhadores qualificados, mecânicos e costureiras também estão em alta demanda na Rússia.

Segundo o vice-presidente da associação empresarial russa “Opora Rossii”, Pável Sigal, as pequenas e médias empresas do país têm uma falta de engenheiros qualificados.

“Os engenheiros de aviação, por exemplo, que se formam no Instituto de Aviação de Moscou, encontram empregos muito rapidamente e sua carga de trabalho pode chegar ser de 180% a 200% do normal, o que significa uma enorme demanda por mais profissionais nessa área”, diz Sigal.

Agricultura

Especialistas em agricultura, como agrônomos, veterinários, zootecnólogo, especialistas técnicos em produção agrícola e pecuária também estão em alta demanda, segundo o Headhunter.ru.

Os empregadores esperam muito dos candidatos, e eles precisam não só de muita experiência de trabalho, mas também devem falar línguas estrangeiras. Este requisito é importante para as empresas que planejam expansão internacional ou querem investir em novos modelos de negócios e melhorar a produção usando tecnologias e equipamentos estrangeiros.

“Nos últimos anos, muitas empresas agrícolas russas se viram incapazes de encontrar pessoal qualificado no mercado interno e, por isso, acabaram contratando trabalhadores estrangeiros”, diz Germershausen.

Expatriados

Em geral, na Rússia há uma demanda por profissionais qualificados em todos os setores, e os expatriados têm chances de achar empregos no país.

"As empresas não conseguem encontrar especialistas também porque as universidades não estão preparando determinados profissionais. O setor de TI está resolvendo esse problema cooperando diretamente com as universidades, mas os industriais não fazem isso”, diz Germershausen.

Neste caso, convidar especialistas estrangeiros é uma opção bastante difundida. 

“Na agricultura, a experiência de usar equipamentos ou implementar novas tecnologias é frequentemente compartilhada e muitas empresas convidam especialistas estrangeiros para implementar melhores práticas de negócios no país”, completa.

Quer saber como é a carga horária de um russo? Leia "Os russos dão duro de verdade?".

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies