Gazprom oferecerá tecnologia ao Brasil

A Gazprom possui tecnologias para aumento do retorno dos poços de petróleo e gás em campos com queda de produção.

A Gazprom possui tecnologias para aumento do retorno dos poços de petróleo e gás em campos com queda de produção.

DPA/Vostock-Photo
Maior estatal de gás russa ajudará brasileiros a armazenar gás natural.

A Gazprom está pronta para oferecer suas tecnologias de armazenamento de gás natural liquefeito (GNL) a parceiros brasileiros, informou o diretor do departamento da empresa russa no Brasil, Chakarbek Osmonov.

Segundo ele, a Gazprom pretende ajudar empresas no Brasil e em outros países da América Latina a construir a primeira instalação de armazenamento subterrâneo de gás natural da região.

“Temos grande experiência e colaboramos com empresas especializadas em manutenção, controle e supervisão das instalações de armazenamento subterrâneo de GNL. O Brasil está interessado nessas tecnologias”, disse Osmonov à agência de notícias Tass.

Além disso, a Gazprom possui tecnologias para aumento do retorno dos poços de petróleo e gás em campos com queda de produção, além de tecnologias não convencionais de liquefação de gás na junção de gasodutos de alta e baixa pressão, segundo Osmonov.

“Na junção do gasoduto principal com a estação de distribuição de gás ocorre uma queda de pressão que cria condições muito favoráveis e economicamente eficientes para a produção de gás natural liquefeito em volumes pequenos", explicou.

As empresas brasileiras estão muito interessadas nesta tecnologia, pois a rede de transporte de gás no país ainda está mal desenvolvida, e muitas regiões que precisam de gás podem recebê-lo apenas na forma liquefeita. O mercado brasileiro de gás é jovem e tem apenas 25 anos.

"O nosso objetivo estratégico é se tornar líder mundial entre as empresas de energia. É muito importante internacionalizar os negócios da Gazprom, ir para os mercados fora da Europa e da Ásia. Estamos interessados em usar os nossos conhecimentos na América Latina", completou Osmonov.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies