Paulo Coelho diz que fãs russos leram versão pirata e não conhecem ‘O Alquimista’ original

CTK Photo/Michal Krumphanzl/Global Look Press
Segundo brasileiro, leitores do país só conhecem manuscrito que circulou na internet nos anos 1990.

O escritor brasileiro Paulo Coelho, 74, disse em uma coletiva de imprensa em Moscou na última quarta-feira (6 de outubro) que seus numerosos fãs russos desconhecem a versão original de seu livro mais famoso, “O Alquimista”. Isso porque a maioria deles só teve contato com uma versão que circulou na internet nos anos 1990.

“Lá por 1990 começamos a falar sobre a publicação de ‘O Alquimista’ em russo, mas depois o papo não foi adiante e a tradução pirata vazou na internet. Eu não fui muito contra porque sabia que a Rússia era um país gigantesco e por isso queria que os russos tivessem acesso ao romance. Em 2001, meu agente foi à Rússia e o livro foi republicado, mas isso aconteceu durante a chamada ‘crise do papel’ e simplesmente não havia papel suficiente para imprimir minha obra!”, disse o escritor.

O autor disse que em 2001 foram publicadas apenas 3.000 cópias de “O Alquimista” na Rússia (um número irrisório para as colossais tiragens do país), enquanto, em 2002, foram 10.000 cópias e, em 2003, 100.000 cópias.

“Em 2006, eu viajei pela Ferrovia Transsiberiana de Moscou para Vladivostok. Pelo caminho, fiz paradas nas cidades e conversei com meus leitores. No final das contas, percebi que todos conheciam justamente a versão pirata do meu livro, dos anos 1990, e não a versão impressa”, conta Coelho.

“O Alquimista” entrou para o Livro Guinness dos Recordes em 2008 como o mais traduzido do mundo.

 

LEIA TAMBÉM: Victor Pelevin, o escritor contemporâneo mais misterioso da Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies