12 pinturas de Cristo na arte russa

Os assuntos bíblicos são tema das obras russas de todas as escolas. Até mesmo pintores que se dedicavam a representar o povo simples, de pescadores a crianças, eram fascinados por Cristo como homem.

1. Aleksandr Ivanov. A Aparição de Cristo ao Povo. 1837-1857

Ivanov trabalhou nesta imagem por 20 anos. Sua escala (5,4 metros por 7,5 metros) a tornava muito grande para a Galeria Tretiakov e, assim, foi preciso construir um pequeno prédio anexo para acomodá-la.

2. Karl Briullov. Cristo no túmulo. Anos1840

Esta pintura é envolta por polêmica e escândalo. Briullov foi contratado para pintá-la por um conde, que levou a pintura para a Alemanha. Após a morte do proprietário, a obra, não assinado, foi transferida para uma igreja ortodoxa na Europa, onde ninguém sabia que se tratava uma obra-prima. 

Em 2002, a igreja vendeu a pintura a um grupo de colecionadores que a levaram ao Museu Russo para análise. A autoria de Briullov foi identificada e o FSB (órgão que sucedeu a KGB) confiscou a valiosa tela. A Suprema Corte da Rússia mais tarde determinou, porém, que ela fosse devolvida aos colecionadores que a haviam comprado.

3. Nikolai Gue. A Última Ceia. 1863

Nikolai Gue pintou diversas telas com temática religiosa, retratando principalmente o “Ciclo da Paixão”, que conta os últimos dias da vida, crucificação e ressurreição de Cristo. O artista parte do cânone de representação da Última Ceia de Cristo com seus discípulos.

Os críticos censuraram Gue pela baixa verossimilhança, mas a pintura foi comprada pelo imperador Aleksandr 2° e hoje se encontra no Museu Russo, em São Petersburgo.

4. Ivan Kramskôi. Cristo no Deserto. 1872

Esta é uma das pinturas mais famosas de Cristo na arte russa e uma das primeiras tentativas de retratá-lo como humano. Nela, ele não é um santo tentado pelas forças do mal, mas o homem comum e cheio de dúvidas. Os críticos de arte focam no centro da imagem, que traz as mãos de Cristo entrelaçadas, de maneira pensativa.

5. Vassíli Polenov. Cristo e o Pecador. 1888

Polenov considerou esta tela a obra da sua vida. Para retratar fielmente o Cristo e as paisagens da Judeia, o artista viajou pelo Oriente Médio por anos a fio e fez dezenas de estudos e esboços. Seu principal objetivo era mostrar a Cristo como uma pessoa comum.

6. Vassíli Polenov. Adquirindo Sabedoria. 1896-1909

Mais tarde, Polenov criou toda uma série de pinturas chamada “Da Vida de Cristo”, que traça o caminho de Jesus desde a infância, adquirindo sabedoria dos anciãos, até o Sermão da Montanha, quando ele próprio começa a ensinar outros.

7. Ivan Aivazóvski. Epifania. Anos 1890

Aivazóvski é mais conhecido por suas paisagens marinhas monumentais, mas ele não ficou de fora da pintura de motivos religiosos.

8. Nikolai Gue. O que é a verdade? 1890

Outra jogada ousada de Gue a partir dos cânones estabelecidos da pintura religiosa, foi sobre o assunto da conversa de Cristo com Pôncio Pilatos após sua prisão. Gue coloca o filho de Deus sob uma sombra escura (quando, normalmente, ele brilha muito em outras obras) e o retrata como surrado, inexpressivo e até lamentável. Ao mesmo tempo, Pilatos parece um vencedor.

9. Arkhip Kuindji. Cristo no Jardim do Getsêmani. 1901

Kuindji é mais conhecido como pintor de paisagens. Suas obras se diferenciam ​​pelo incrível uso da luz. Nesta composição bíblica, ele ilumina Cristo com a luz da lua, em forte contraste com a escuridão ao seu redor.

10. Iliá Répin. Ressurreição da filha de Jairo. 1871

Este foi o projeto de conclusão de curso de Répin na Academia Russa de Belas Artes. O artista conseguiu transmitir o tenso momento um segundo antes do milagre bíblico da Ressurreição. Répin recebeu uma medalha de ouro pela obra. Mais tarde, suas pinturas de Cristo evoluiriam para algo mais realista e até pós-impressionista.

11. Mikhail Vrúbel. Cristo no Jardim do Getsêmani. 1887-1888

Mais conhecido por pintar demônios sombrios, o modernista Vrúbel também criou obras com espíritos sagrados e profetas, e até afrescos de igrejas. Este desenho a carvão do artista está armazenado na Galeria Tretiakov, em Moscou.

12. Mikhail Nêsterov. Santa Rus. 1901-1906

Mikhail Nêsterov também pintou muitas igrejas e deixou diversos esboços sobre temas bíblicos. Os arcanjos, a Virgem Maria, os santos, os monges e, é claro, o próprio Cristo saíram de seu pincel. Em sua emblemática obra Santa Rus, o Salvador abençoa os russos necessitados e sofredores.

LEIA TAMBÉM: Como a Igreja Ortodoxa Russa sobreviveu a 70 anos de ateísmo na URSS?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies