Olga, a mulher russa de Picasso retratada entre amor, rancor e ciúme

Da devoção quase religiosa ao ressentimento dos últimos anos: a relação entre Olga Khokhlova, bailarina das Estações Russas, e o fundador do cubismo continua viva nas pinturas do artista. Dos primeiros anos de relacionamento ao dramático adeus.

Olga Khokhlova. 1917

Pablo e Olga se conheceram através de Diaghilev. Ela dançava nas apresentações das Estações Russas, enquanto Picasso participava da produção de cenário e dos figurinos do balé revolucionário “Parata”.

Olga Khokhlova com um xale. 1917

A beleza e as boas maneiras de Olga imediatamente conquistaram o pintor, que decidiu acompanhar a empresa em sua turnê pela Espanha. Lá, Picasso criou uma das pinturas mais famosas de Khokhlova, retratada com o tradicional xale espanhol.

Retrato de Olga sentada. 1917

Diaghilev disse a Picasso que, com as mulheres russas, era uma boa prática pedir a mão relativamente cedo. E assim o pintor decidiu se casar com Olga.

VEJA TAMBÉM: Como saber se uma russa está a fim de você? 

Pelo amor à jovem, Picasso se afastou do cubismo. Esse período de sua produção artística foi definido como “neoclássico”: isso porque sua esposa queria, em retratos, ser reconhecível e fiel à realidade. 

Retrato de Olga Khokhlova. 1918

As pinturas de Olga enchiam o estúdio do pintor. Em 17 anos de vida juntos, seus retratos começaram a assumir uma aparência muito diferente, quase iconográfica.

Olga lê na cadeira. 1920

Em várias ocasiões, Picasso retratou sua mulher sentada em uma cadeira. Ela, por amor ao marido, abandonou a dança e desistiu da turnê na América Latina com as Estações Russas. Depois, Olga machucou a perna e passou muito tempo sentada.

Olga com sobrepeso. 1923

Enquanto Olga estava embalada no conforto da vida familiar, aconteciam na Russia a Revolução e a Guerra Civil. Na época, a jovem perdeu todo o contato com seus pais; ela teve que esperar três anos antes de recebê-los. Mas as cartas continham informações inquietantes: o pai havia desaparecido, um irmão morreu, outro irmão fugira do país, enquanto sua mãe e sua irmã viviam em condições desesperadoras. Durante esse período, Picasso fez diversos retratos de sua esposa triste e perturbada.

Maternidade. 1921

Em 1921, nasceu o único filho do casal, Paulo. A alegria do pintor era extrema e em várias ocasiões retratou sua mulher como uma Madona com a criança. Esses retratos surgem cheios de ternura. 

Dança. 1925

Em meados dos anos 1920, o relacionamento do casal começou a ruir. Olga ficava cada vez mais ciumenta em relação a Picasso (e tinha todas as razões para isso) e fazia escândalos.

Ela não podia aceitar que, durante um encontro com Diaghilev em Monte Carlo, o marido tivesse retratado jovens bailarinas das Estações Russas.

Segundo críticos, a pintura “Dança” retrata Olga. Coincide com o início da fase surrealista de Picasso, composta de dramas e tensões.

Nua sobre cadeira vermelha. 1929

A crise entre Olga e Picasso ficou cada vez mais séria. Naquela época, o artista começou a se afastar da imagem realista de sua esposa. Atormentado pelo ciúmes dela, ele começou a sair secretamente com outras mulheres.

Cabeça de mulher. Olga Picasso. 1935

Em 1935, Olga e Pablo se separaram. Pouco tempo depois, Maria Teresa, uma jovem amante do pintor, teria dado à luz uma criança.

Ainda assim, Olga continuou a aparecer nas pinturas da artista: da primeira, retratada como uma deusa, passou a ser pintada como um monstro.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies