Sviatki russo, a época mais profana do ano

Participantes saltam sobre o fogo no Sviatki de 2017, festival de entretenimento e diversão na região de Tcheliabinsk.

Aleksandr Kondratuk/Sputnik
Nem mesmo a Igreja Ortodoxa poderia banir a antiga tradição pagã do banquete de inverno russo. Durante o período, os espíritos e o demônio ficam selvagens – e as crianças também.

O Sviatki é o período que vai da véspera do Natal Ortodoxo (em 7 de janeiro) até a Epifania (em 19 de janeiro). Tradicionalmente, russos de todo o país passavam essas duas semanas fazendo coisas malucas, esquecendo-se do trabalho e comemorando. Mas por quê?

Muitas culturas observam o solstício de inverno como o início de um novo ano astronômico. A partir deste ponto, os dias se tornam mais longos e as pessoas antigamente acreditavam que isto representaria o início do Ano Novo.

Assim, eles pensaram que todo o destino no ano seguinte estava sendo definido. É por isso que o Sviatki era tratado com tanta importância.

Os russos festejariam até demais durante esse período na esperança de que os próximos 12 meses fossem frutíferos. Para os camponeses russos que davam duro durante todo o ano, as celebrações eram uma pausa valiosa.

Noites assustadoras

Atores do Teatro Uzorotchie cantando.

O nome Sviatki vem da palavra sviatoi ("sagrado"), mas, ironicamente, esta era a época mais profana e pagã do ano. Os russos acreditavam que o período entre o nascimento e o batismo de Cristo era "um tempo sem a cruz".

"Deus, regozijou-se depois que seu filho nasceu, abriu todas as portas e deixou os demônios saírem para brincar", reza a lenda popular. O trabalho era proibido durante o Sviatki, especialmente para os jovens - eles ficavam ocupados agindo como crianças endiabradas e espíritos.

Para tantos, moços (e algumas moças corajosas) colocavam máscaras assustadoras e pediam guloseimas por toda a aldeia. Os "diabinhos" usavam trapos velhos, barbas falsas, chapéus de couro pontudos, cantavam e gritavam alto, e tocavam instrumentos simples, assustando os aldeões.

Mas era preciso recebê-los e oferecer guloseimas ou o ano seria de azar, algo parecido com o Halloween. Na Rússia, porém, mesmo que recebessem guloseimas, os diabinhos faziam truques mesmo assim, geralmente tarde da noite, depois que as pessoas iam dormir.

Fingindo de morto

Durante o Sviatki, acreditava-se que os mortos visitariam as pessoas. Na véspera de grandes festas, como Natal, Ano Novo e Epifania, os aldeões não tiravam nenhuma comida da mesa para que os antepassados ​​também tivessem algo para comer.

Além disso, encenar funerais também eram muito popular na maioria das aldeias. Era assim, segundo os relatos: “um menino vestido com uma mortalha e com dentes falsos feitos de nabo e farinha no rosto (isto o fazia parecer morto) era amarrado a um banco.

LEIA TAMBÉM: Essas pinturas russas são capazes de prever o futuro

Um padre falso com um incensório de barro cheio de uma mistura fumegante de musgo e esterco fazia um falso funeral com ‘orações’ (só palavrões). Para a ‘cerimônia de vigília’, todo mundo pegava uma fatia de esterco seco”.

O ritual maluco simbolizava o enterro do ano anterior.

Brincadeiras desavergonhadas

O problema era que muito poucas pessoas estavam dispostas a realizar uma cerimônia tão bizarra e nojenta em casa, então os jovens procuravam alguma velha “izb´” (casa de madeira tradicional russa).

Eles normalmente faziam todo tipo de brincadeira possível nessas casas, onde podiam correr soltos. Em um jogo do Sviatki, as moças agiam como éguas, e os moços as examinavam e escolhiam uma.

Então, eles beijavam sua égua e as colocavam de joelhos. Em outro jogo, um moço fingia ser um touro, usando um pote de barro com chifres de verdade e dava chifradas abaixo da cintura das moças, até que outro moço “matasse” o touro quebrando o pote.

Além disso, jogos como “casamento” ou “o ‘barin’ [nobre] escolhe a noiva” tinham um tom errático e incluíam agarrar e apalpar as moças – comportamento que só era permitido durante Sviatki, muitas vezes sob o olhar atento dos adultos para garantir que as coisas não extrapolassem os limites.

Às vezes os garotos da aldeia vizinha tentavam jogar conversa nas moças locais, mas se eles não trouxessem vodca suficiente para compartilhar, ocorriam lutas.

Prevendo o futuro

Meninas tentam prever o futuro usando grãos.

As meninas tinham seu próprio passatempo: a previsão do futuro. Condenada pela Igreja, esta também só era permitida durante Sviatki. O objetivo de toda previsão era adivinhar quem seria o noivo delas.

A previsão do futuro era praticada em cruzamentos, casas de banho, perto de rios - em quaisquer lugares onde os espíritos aparentemente permaneciam.

À noite, as meninas chegavam a uma casa de banho e, se fossem tocadas por uma pata cabeluda, o futuro marido seria rico, mas, se fossem acariciados por pele nua, o marido seria pobre.

Imagine o tanto de aloprações que os moços faziam se escondendo dentro de uma casa de banhos nesta época!

À meia-noite, as moças se aventuravam na encruzilhada e escutavam: se ouviam uma canção ou risadas, a vida familiar seria feliz; se não ouvissem nada, então deviam aguardar uma vida de tristezas.

As moças também podiam ir ao rio e olhar para um buraco de gelo sob o luar: havia uma chance de o demônio se mostrar disfarçado com a cara do futuro noivo.

Era importante levar um crucifixo ou faca para afastar os maus espíritos. Às vezes, as moças chegavam a levar um galo consigo e, se ficassem com medo, beliscavam-no, forçando um grito estridente que afastava o demônio.

Roubar não é crime

Os jovens frequentemente faziam brincadeiras com seus vizinhos quando iam para casa depois desses encontros, que geralmente terminavam depois da meia-noite.

Os “endiabrados” se escondiam em “izbás” para virar barris com massa ou água, jogar fuligem nos transeuntes; acordar as pessoas batendo em suas portas; jogar estrume nas cabeças das pessoas enquanto elas olhavam pela janela para ver o que estava acontecendo; roubar coisas etc. A lista é longuíssima e continua, tantas eram as brincadeiras maravilhosas para se fazer em uma aldeia que dormia no inverno.

Às vezes, as brincadeiras poderiam ser bem caras: as chaminés acabavam entupidas de lixo e trenós tinham que ser rebocados das florestas onde tinham sido escondidos. Mas os adultos geralmente entendiam, afinal, eles já tinham sido jovens!

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies