Do ‘Trololo’ ao ‘7th Element’ de Vitas, 5 hits russos que viralizaram sem querer

Dmitry Korobeinikov/Sputnik
Gostem ou não, esses artistas fazem parte agora da história mundial dos memes.
  1. Eduard Khil – Trololo

O lendário barítono soviético Eduard Khil era conhecido como o “Símbolo de Leningrado” em seus anos mais gloriosos. No entanto, hoje em dia, é mais lembrado como celebridade momentânea da internet.

Em 2009, alguém com muito tempo livre descobriu uma apresentação sem pé nem cabeça feita por Khil em 1976. Quase da noite para o dia, o vencedor do prêmio Artista do Povo da Rússia foi apresentado ao Ocidente como um meme: seu “trololo” virou uma expressão onomatopeica da “zoeira never ends”. Graças também ao grande sorriso abobado do artista, o vídeo se tornou “hino nacional da internet” para muitos.

O que a maioria não sabe, no entanto, é que Khil estava brincando. Originalmente intitulado “Eu estou muito feliz por enfim voltar para casa”, a balada maluca conta a história de um cowboy americano, e, segundo relatos, o cantor mudou a letra, pois seria provavelmente banido pela censura soviética caso fosse executada (outros boatos dizem que Khil não concordava com a letra composta pelo autor da música).

Seja como for, Khil transformou a balada em algo sem sentido para sua apresentação ao vivo, em uma espécie de protesto – e não um sintoma de gosto musical “bizarro”. 

  1. Vitas – 7th Element

Vitas, o protegido de Eduard Khil em ruídos absurdos e expressões faciais desconcertantes, conquistou fama na internet no Ocidente por volta de 2015. Apesar de seu alcance vocal de cinco oitavas e início de carreira prolífico na Rússia e na China, o sucesso não havia chegado até a descoberta de “7th Element”.

É difícil entender o apelo exato do vídeo, mas é provavelmente uma mistura das expressões faciais estranhamente infantis de Vitas e o susto imediato que se sente ao acompanhar a movimentação rápida de sua língua. Com 111 milhões de visualizações no YouTube, “7th Element” deve continuar chocando diferentes gerações.

  1. Steklovata – Novi God

Esse hit festivo de 2002 – de um grupo a la Backstreet Boys com baixo orçamento – disparou na internet em 2007, assumindo o trono de “pior videoclipe de todos os tempos”. É fácil entender o motivo: a tela verde, expressões faciais apáticas, pontas loiras descoloridas e uma sincronização labial terrível. A canção se tornou, porém, um fenômeno na Rússia e em outros países.

No entanto, depois de um pouco de hilaridade inicial, Novi God (Ano Novo, em português) se torna genuinamente edificante. Afinal, eram apenas quatro jovens de um orfanato dando o melhor de si. Basta observá-los: eles fazem o melhor que podem e se divertem, e suas vozes também não são ruins.

  1. Hard Bass School – Narkotik Kal

O “hino nacional do gópnik” é, talvez, a mais famosa canção de hardbass (gênero de música eletrônica que se tornou um meme em si). Apesar de ter uma mensagem antidrogas saudável, a música incorpora todos os arquétipos da subcultura gópnik: hedonismo extremo, ostentação, baixa cultura russa e uma atitude de “dedo do meio”.

A música decolou junto com a ascensão de páginas de memes como Squatting Slavs in Tracksuits e agora conta com 26 milhões de visualizações no YouTube.

Um vídeo que combina (perfeitamente) essa música com uma dança do Exército Vermelho também acumula nada menos que 19 milhões de visualizações.

  1. Hino da União Soviética

Ironicamente ou não, o ressurgimento on-line do hino da URSS tem sido uma forma elaborada de “trollagem”. Esse remix techno de 2014 seria, na verdade, o catalisador inicial na memeficação do hino:

VEJA TAMBÉM A história por trás do hino nacional da Rússia

Desde então, o hino foi reproduzido inúmeras vezes para garantir um alto valor de choque ao criar memes. Além do mais, há o gosto inegável de aplicá-lo a desenhos animados infantis, como mostra, por exemplo, essa versão do soviético Bart:

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies