5 aforismos que são atribuídos erroneamente a russos famosos

Alexander Kislov; Global Look Press
A queda que os russos têm por uma boa piada anda de mãos dadas com seu amor por aforismos e citações. Todo russo conhece muitas frases proferidas por gigantes. Mas, muitas vezes tais pessoas não nunca disseram nada parecido a citação desses pseudo-intelectuais. Escolhemos 5 pérolas que frequentemente atribuídas erroneamente a homens como Vladímir Lênin e Lev Tolstói.

1. "Se eu pegar no sono, acordar 100 anos depois e alguém me perguntar o que está acontecendo na Rússia, minha resposta imediata será: bebedeira e roubalheira" – Mikhaíl Saltikov-Schedrin.

Esta citação sempre ganha enormes elogios dos russos na internet e realmente parece se encaixar na visão de mundo de Saltikov. Só que ele nunca disse isso.

Estas palavras foram proferidas por Aleksandr Rozenbaum, um ex-funcionário de ambulância russo que virou cantor e compositor. De algum jeito, ele atribuiu isso a Saltikov em uma entrevista e a história pegou.

Na verdade mesmo, a frase vem do “Livro Azul” do escritor satírico (e não Saltikov) russo-soviético Mikhaíl Zoschenko. O autor tirou-a dos cadernos do poeta Piotr Viazemski, que a atribuiu ao historiador russo Nikolai Karamzin.

LEIA TAMBÉM ‘Brasil selvagem’ e outros mitos latinos na Rússia

Mas a frase exata não menciona o sono: "Se alguém quisesse descrever com uma única palavra o que está acontecendo na Rússia, ele teria que dizer: ‘roubo’ ".

2. “Não há pessoas indispensáveis” e “Não tem problema se não tiver nenhum homem” – Iôssif Stálin

Por mais duras e tirânicas que algumas de suas citações possam parecer, Stálin não pronunciou – pelo menos não oficialmente - essas palavras... Seu discurso era mais sutil que isso!

"Não tem problema se não tiver nenhum homem" foi uma frase cunhada pelo escritor Anatóli Ribakov no livro “Os filhos da rua Arbat”, que retrata o período das repressões de Stálin. Assim, Stálin diz essa frase, mas apenas no livro de Ribakov.

Posteriormente, o escritor confessou que se divertiu horrores com os jornalistas e até os historiadores que achavam que a frase tinha mesmo sido proferida pelo ditador.

“Não há pessoas indispensáveis” foi outra frase atribuída a Stálin na peça “Frente de batalha” (1942), do pouco lembrado dramaturgo soviético Aleksandr Korneitchuk. Esta frase, porém, é real – mas também não foi proferida por Stálin!

Quem a disse foi Joseph Le Bon, político francês conhecido pelo tratamento implacável que rendeu à velha aristocracia francesa. Ele falou isto para algum visconde que implorava para viver, justificando que era educado e experiente e que poderia ser útil à República.

Um ano depois, o próprio Le Bon foi executado por abuso de poder.

3. “Não pouparemos soldados, as mulheres darão à luz mais deles!” - Gueórgui Jukov

Esta falsa citação é muito popular entre as pessoas que insistem que as táticas militares soviéticas se resumiam a simplesmente “vencer por quantidade”. Ela também foi atribuída a Pedro, o Grande.

Não se sabe, porém, quem disse isso pela primeira vez. Acredita-se que a frase possa estar relacionada a uma carta que a Imperatriz Aleksandra enviou ao marido, Nikolai 2°, na qual ela descreve as grandes perdas durante a Primeira Guerra Mundial: “Os generais sabem que há muito mais soldados na Rússia e é por isso que eles não poupam vidas, mas estas eram tropas perfeitamente treinadas, e foi tudo em vão”.

Outra versão reza que o general Apraksin, que durante a Batalha de Gross-Jägersdorf (1757) se recusou a enviar a cavalaria para um ataque, disse: “Paga-se pelos cavalos com ouro e, quanto aos soldados, as mulheres soldados darão à luz mais deles”.

Outra vez, isto é apenas uma lenda que não foi provada. Então, esperamos que ninguém tenha realmente dito esse absurdo.

4. ‘Qualquer cozinheiro pode governar o Estado’ - Vladímir Lênin

Esta frase, que era conhecida por praticamente todo homem, mulher, menino e menina soviéticos, é exatamente o oposto do que Vladimir Lênin disse. Em seu artigo “Os bolcheviques manterão o poder do Estado?” (1917), ele escreveu: “Não somos utopistas. Sabemos que um trabalhador não qualificado ou um cozinheiro não pode assumir imediatamente o cargo da administração estatal... Mas exigimos uma ruptura imediata com o preconceito de que governar o Estado, realizar o trabalho cotidiano de governar, só seja possível a funcionários civis que são ricos ou provenientes de famílias ricas ”.

O poeta Vladímir Maiakóvski provavelmente contribuiu para a falsa interpretação dessa citação, porque escreveu em seu poema “Vladímir Ilitch Lênin”: “Vamos ensinar todo cozinheiro a governar o Estado”.

Na internet russa, há um meme engraçado que atribui as palavras “Você não deve acreditar em tudo que as pessoas escrevem na web” para Vladímir Lênin – afinal, hoje em dia, quem não verifica o besteirol que se publica na internet entra em uma fria!

5. “Os olhos são o espelho da alma” - Lev Tolstói

Na tradição russa, este aforismo é atribuído ao autor de “Guerra e Paz”. Até mesmo o Yandex, a maior ferramenta de busca da Rússia, sugere automaticamente o nome de Tolstói se você digitar essas palavras ali. Bem, então não estranho se elas também fossem atribuídas a Paulo Coelho, certo?

Na realidade, mesmo que Tolstói tenha escrito isso (não conseguimos encontrar a frase em nenhuma de suas obras, mas se você conhecer o trabalho do conde melhor, por favor, nos diga), ele deve ter sabido, como o homem erudito que era, que a frase remonta a Roma Antiga, quando Cícero (106-43 a.C.) teria dito: "Ut imago est animi voltus sic indices oculi' (O rosto é uma imagem da mente, assim como os olhos são seu intérprete).

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies