11 pinturas de balé através dos olhos de artistas russos

Vários artistas já abordaram o tema do ballet russo: a pose, o movimento e a plasticidade das bailarinas inspiraram a criação de verdadeiras obras-primas.

Retrato da bailarina Olga Lepechinskaia, 1939

Ao longo do século 20, as artes plásticas e a dança se enriqueceram mutuamente. Em muitos aspectos, foi a pintura que introduziu o balé russo para o mundo.

No camarim do balé

Durante três anos, a artista Zinaida Serebriakova (1884-1967) acompanhou os ensaios de balé no Teatro Mariinsky, em São Petersburgo, que se reflete nessa série de retratos e composições de balé.

Les Sylphides (Chopiniana), 1924

A pintura, as artes gráficas, a fotografia e as esculturas, com sua poderosa capacidade visual, levaram o balé para além do teatro.

Cena extraída de balé de 1875

VEJA TAMBÉM A glória e os dramas das grandes bailarinas russas 

A promoção do balé russo no exterior se deveu, em grande parte, a Serguêi Diaghilev, figura teatral e divulgador da cultura russa, que envolveu vários artistas russos no cenário e decorações de suas temporadas de “Ballets Russes”, iniciadas em 1909 em Paris, Londres e Roma.

Balé russo, Champs-Elysees, Sylphides

Zinaida Serebriakova não retratou cenas do balé em ação, como eram típicas de Edgar Degas ou Konstantin Somov. Suas pinturas foram dedicadas à vida nos camarins e bastidores. 

No camarim do balé (bailarinas do Bolshoi), 1922

Alla Chelest (1919-1998) foi uma prima ballerina soviética, que dançou e lecionou no Teatro Mariinsky, no Aterballetto (na Régio da Emília, Itália), e no Teatro de Ópera e Ballet de Budapeste.

Retrato da bailarina Alla Chelest, 1949

O balé “Pavillon d’Armide” foi encenado no Teatro Mariinsky em 1907, e dois anos após a estreia, estrelando Anna Pavlova, foi levado aos palcos de Paris graças aos “Ballets Russes” de Serguêi Diaghilev.

Balé russo (Pavlova e Nijinski em) “Pavillon d’Armide”, 1907

O balé “La Sylphide”, no qual o papel da mítica sílfide foi interpretado pela bailarina russa Anna Pavlova (1881-1931), é baseado na obra “Trilby”, do escritor francês Charles Nodier (1822).

Anna Pavlova em “La Sylphide”, 1909

Serguêi Sudeikin (1882-1946) foi expulso da Escola de Pintura de Moscou por um estilo que “não fazia parte do currículo”, mas depois de alguns anos tornou-se um famoso artista de teatro. Durante sua carreira, projetou cenários para muitos teatros, como o Metropolitan Opera, em Nova York.

1910

Diaghilev colaborou com Natália Gontcharova (1881-1962), Nikolas Roerich (1874-1947), Aleksandr Benois (1870-1960), Zinaida Serebriakova (1884-1967) e muitos outros pintores russos. Eles não apenas criaram cenários de balé, mas também obras de arte autossuficientes que deixaram vestígios na cultura mundial./ 

Balé russo, 1910

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies