Obra de Bakhtin que só foi publicada na íntegra recentemente na Rússia ganha versão em português

Nikolay Gyngazov/Global Look Press
Em ‘Teoria do romance II’, Mikhail Bakhtin (1895-1975) introduz um de seus pensamentos-chave, o ‘cronotopo’. Autor foi preso em 1928 e só deixou os campos de trabalhos forçados de Stálin em 1936.

Desenvolvida nos anos 1930, a “Teoria do romance” de Bakhtin só foi publicada, e de forma parcial, no ano de sua morte, em 1975, no volume “Questões de literatura e de estética”.

Foi só em 2012, porém, que o texto integral veio à luz, na Rússia, no conjunto de suas “Obras reunidas”. A partir desta nova edição crítica, com organização de Serguêi Botcharov e Vadím Kójinov, a editora  publica agora no Brasil o segundo tomo da “Teoria do romance”, com tradução de Paulo Bezerra, ex-professor de teoria da literatura na UERJ e de língua e literatura russa na USP e um dos maiores tradutores de Dostoiévski.

Após prisão, autor foi resgatado somente na década de 1960 por estudantes de Moscou que o ajudaram a se reintegrar ao cenário intelectual do país e a editar suas obras.

O volume introduz um dos conceitos-chave do pensamento de Bakhtin, o “cronotopo”, ou seja, a configuração do tempo e do espaço na prosa literária.

Neste “ensaio de poética histórica”, o autor parte do romance grego, passa pelas obras de Apuleio e Petrônio, pelo gênero biográfico e autobiográfico (Platão, Plutarco, Santo Agostinho), pelo folclore, pelos romances de cavalaria (incluindo uma original análise da “Comédia” de Dante) e pelos personagens picarescos, para chegar à extraordinária obra de François Rabelais.

Obra e degredo

Mikhail Bakhtin nasceu em 1895 em Oriól, na Rússia. Estudou em Odessa e Petrogrado, foi professor de história, sociologia e língua russa na cidade de Nével, na década de 1910, e liderou um grupo de intelectuais que ficaria conhecido como “Círculo de Bakhtin”.

Em 1928, foi preso pelo regime de Stálin, mas ainda conseguiu publicar um de seus trabalhos mais importantes, “Problemas da obra de Dostoiévski” (1929). Condenado a um campo de trabalhos forçados, teve a pena comutada para o degredo no Cazaquistão, onde viveu até 1936.

Bakhtin continuou proibido de viver em grandes cidades e se estabeleceu em Saransk, isolado do circuito acadêmico e literário da União Soviética, trabalhando como professor em escolas públicas.

O autor foi resgatado do ostracismo somente na década de 1960 por três estudantes de Moscou —Kójinov, Botcharov e Gátchev —, que o ajudaram a se reintegrar ao cenário intelectual do país e a editar suas obras.

Assim, o ensaio sobre Dostoiévski foi revisto e publicado sob o título “Problemas da poética de Dostoiévski” (1963) e foram editadas sua tese de doutorado “A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais” (1965) e a coletânea de ensaios “Questões de literatura e estética” (1975).

Ele morreu em Moscou, em 1975.

Críticos escolhem as 100 melhores obras da literatura russa pós-soviética

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies