Polícia russa mostra veia artística ao imortalizar heróis e recriar zonas de conflito

Grupo especial do Ministério do Interior se encarrega de produzir obras que retratem o trabalho e as glórias do corpo policial na Rússia.

Iliás Araslanov, “Prêmio em Khankala”, 2007

Em 1969, o Ministério do Interior (MVD, na sigla em russo) abriu um departamento incomum em sua estrutura: o Estúdio dos Artistas. O grupo foi encarregado de fazer pinturas que capturassem o trabalho policial e que visassem a educar o pessoal do ministério. Hoje, alguns desses artistas da época soviética ainda estão trabalhando; um deles, por exemplo, é Iliás Araslanov, que assina a obra acima.

Iúri Orlov, “Impasse”, 1993

Além de retratar acontecimentos relacionados ao trabalho – como a detenção de criminosos perigosos, juramentos e cerimônias de aposentadoria – esses artistas pintam retratos de personalidades, como generais condecorados e jovens heróis.

Viatcheslav Jelvakov, “Competição”, 1990

O estúdio opera há quase 50 anos e, atualmente, seus trabalhos são artefatos históricos exibidos em gabinetes da polícia e do ministério, bem como em museus. Em 2014, também foi realizada uma exposição dessas obras no Museu de Arte Moderna de Moscou, que foi aclamada por críticos do mundo da arte e elogiada por visitantes.

Anton Chumeiko, “Adeus à bandeira”, 2012 (cerimônia de aposentadoria da academia militar)

A história mais recente do estúdio começou em 1991, quando o jovem artista Oleg Leonov tornou-se seu diretor. Leonov formou o Instituto de Arte Surikov, em Moscou, estudando com Iliá Glazunov, que era um dos principais retratistas da época.

“Nós documentamos aquela época”, disse Leonov ao Russia Beyond. “Às vezes, as pessoas até choram em nossas exposições: trazendo flores para os retratos de generais, ou discutindo se eram boas pessoas.”

Aleksandr Teslik, “Emboscada”, 2005

Esses artistas geralmente fazem plantão em campo, inclusive em zonas de conflito onde tropas internas estão sendo mobilizadas: Nagorno-Karabakh (1990); Tchetchênia (1999, 2000, 2006, 2008); Ossétia do Norte (1993, 1994, 1995 e 2004); e Budenovsk, em 1995. As obras pintadas refletem o heroísmo e a tragédia de batalhas.

Oleg Leonov, “Entre batalhas”, 2004

A pintura acima de Leonov, “Entre batalhas”, apresenta um jovem que foi convocado pelas tropas e serviu por um ano como cozinheiro. No final do serviço, poderia ter voltado para casa e para sua família, mas quis continuar servindo a pátria. Então, ele permaneceu com as tropas internas e foi enviado para uma zona de conflito, onde acabou sendo morto dois anos depois. Esta obra foi criada pouco antes de sua morte.

Anton Chumeiko, “Decreto que estabeleceu a Polícia. Proclamação do decreto de Pedro, o Grande, para nomear Antonio de Vieira como diretor-geral da Polícia de São Petersburgo”

Neste ano, o Ministério do Interior celebra o 300º aniversário da força policial - em 1718, Pedro, o Grande, assinou um decreto que deu origem ao corpo. Antes disso, autoridades locais e prefeitos tentavam de tudo para manter a ordem pública. Nos últimos cinco anos, com a ajuda de historiadores, o Estúdio vem recriando retratos e cenas dos séculos 18 e 19 com atenção a detalhes, incluindo uniformes e heráldica.

Atualmente, as obras de arte criadas pelo grupo de policiais podem ser apreciadas em museus por toda a Rússia e penduradas nas paredes dos gabinetes ministeriais.

Beleza à parte, saiba como agir se a polícia te parar na Rússia

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies