A incrível artista soviética que morreu aos 17 anos deixando milhares de obras

Seus trabalhos foram exibidos no mundo inteiro, e ela deixou mais de 10.000 pinturas, desenhos e ilustrações de literatura clássica. Mas seu destino foi dramático.

O pai de Nádia Rucheva era artista de teatro e, provavelmente, nunca imaginou que um dia gastaria suas economias promovendo o legado artístico da filha ao invés de seu próprio.

Na juventude, Nikolai Ruchev foi convidado a se tornar artista no Teatro Musical Sibéria Tuva. Lá, ele conheceu a futura esposa, a primeira bailarina da trupe de Tuva, Natalia Ajikmaa.

Em 1950, eles se mudaram para a cidade de Ulan-Bator, na Mongólia, e Nikolai continuou trabalhando como artista de teatro, enquanto Natália passou a ensinar balé.

Em 1952, ela deu à luz a Nádia, e a família quase imediatamente se mudou para Moscou. Por um longo tempo, o casal não ensinou Nádia a ler ou a escrever porque não queria apressá-la. Ao invés disso, os dois a deixaram se desenvolver sozinha. Aos 5 anos de idade, Nádia começou a desenhar por conta própria.

O casal lia muitos livros e Nikolai se lembrava que, enquanto ele lia para a menina o conto “Tsar Saltan”, de Púchkin, ela desenhou 35 ilustrações nada infantis sobre a história.

Desenho de Nádia Rucheva,

Em 1964, uma das principais revistas soviéticas, a Iúnost ("Juventude"), publicou pinturas de Nádia e organizou exibições não apenas em Moscou e Leningrado (atualmente, São Petersburgo), mas também na Polônia, na Tchecoslováquia, na Romênia e na Índia.

“Bobo”, uma das pinturas de Nádia Rucheva para as obras de Shakespeare, 1968.

Nádia se interessava muito por literatura e fez ilustrações para “Evguêni Onéguin”, “Guerra e Paz”, “O mestre e Margarida”, e outros romances e poemas.

Em seu livro de memórias, o pai de Nádia lembra que ela leu o romance de Tolstói aos 13 anos de idade, e que simpatizava com os personagens de Natacha e Petia Rostov e sua família.

"Três anos depois, ela já tinha 400 desenhos e esboços em arquivos", escreveu o pai. Depois de assistir a adaptação ítalo-americana do romance, Nadia ficou sob o feitiço de Audrey Hepburn, Henry Fonda e Mel Ferrer.

A última cena de “O mestre e Margarida”, de Mikhail Bulgakov, por Nádia Rucheva, 1968.

A mulher de Mikhail Bulgákov, Elena, viu as ilustrações de Nádia para “O mestre e Margarida” e ficou absolutamente encantada. Nikolai chegou a escreveu que Nádia desenhava Margarida muito parecida com Elena, o protótipo de Margarida, sem nunca tê-la visto.

Nádia planejava fazer ilustrações para as obras de Mikhail Lermontov, Aleksandr Blok, William Shakespeare etc.

Mas, em 6 de março de 1969, a caminho da escola, Nádia perdeu a consciência e morreu rapidamente com uma hemorragia cerebral.

“As mães do mundo pela paz”, por Nádia Rucheva.

Ela era uma estudante humilde e quieta, com grande talento e poder interior. No último dia 31 de janeiro, Nádia teria completado 66 anos.

O pai de Nádia preservou seu legado e, desde sua morte, organizou exposições das oras da menina em todo o mundo, publicou um livro das pinturas dela e um livro de memórias a ela dedicado.

Retrato de Nádia Rucheva.

Gostou? Então leia “Ilustrador russo ironiza atual ‘sentido da vida’ em coleção de desenhos”.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais
Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies