Quais filmes foram proibidos na Rússia?

Depois de a comédia “The death of Stalin” (2017) entrar para a lista-negra do país, ministro da Cultura a chamou de “piada insultante de todo o passado soviético”. Mas o filme de Armando Iannucci não foi o único a ser proibido no país, e tiveram o mesmo destino no país muitos outros que retrataram a URSS ou ofendiam o líder norte-coreano.

Borat (2006)

Esta comédia dirigida por Larry Charles traz Sacha Baron Cohen interpretando um documentarista cazaque excêntrico e teve sua licença distribuição negada no Cazaquistão, que tem laços estreitos com a Rússia.

De acordo com os burocratas, o filme continha "material que alguns espectadores poderiam achar ofensivo a algumas etnias e religiões".

Isto, porém, não impediu a MTV Rússia de exibir a comédia três anos mais tarde.

Clip (2012) 

Este drama adolescente do diretor sérvio Maja Miloš, que foi premiado no Festival Internacional de Cinema de Roterdã, teve negada uma licença de distribuição na Rússia.

O motivo, de acordo com o Ministério da Cultura Russo, era que havia crianças envolvidas na gravação de cenas de sexo, uma violação da Lei sobre a Proteção das Crianças de Informações Prejudiciais a sua Saúde e Desenvolvimento.

Um aviso no filme, no entanto, negava que isto fosse verdade.

Ordered to Forget (2014) 

Pode-se dizer que este filme é o único russo que teve a distribuição proibida e foi dirigido por Hussein Erkenov.

Ele conta a história das centenas de pessoas mortas na aldeia montanhosa de Khaibakh durante as deportações dos povos tchetcheno e inguch em 1944.

O filme foi exibido no Festival de Cinema de Moscou e incluído nos programas de vários outros festivais de cinema internacionais, mas nunca recebeu uma licença de distribuição no país de origem.

Ao invés disso, o Ministério da Cultura enviou uma carta à produção descrevendo a obra como uma "mentira histórica" e dizendo que sua exibição poderia "incitar o ódio étnico", segundo o produtor do filme, Ruslan Kokonaev.

A Entrevista (2014)

Esta comédia satírica dirigida por Seth Rogen e Evan Goldberg e repleta de piadas sobre a Coreia do Norte foi vítima da politicagem não só na Rússia, mas no mundo todo.

Nos Estados Unidos, a exibição do filme foi inicialmente adiada, depois quiseram cancelá-la e, no final das contas, o filme teve uma estreia limitada antes de ser lançado on-line, quase imediatamente.

Na Rússia, da mesma maneira, o lançamento do filme foi inicialmente adiado indefinidamente.

Depois, porém, a embaixada da Coreia do Norte na Federação Russa fez uma declaração dizendo ser difícil imaginar que "um país tão amável e civilizado como a Rússia poderia exibir um filme sobre o assassinato do chefe de um Estado amigável e soberano".

Assim, o amigável país gelado decidiu não lançar o filme.

Crimes Ocultos (2015) 

Este não é o thriller mais destacado do diretor sueco Daniel Espinosa, que mais tarde foi encarregado de fazer o grande filme de ficção científica de Hollywood “Life”.

Mas “Crimes Ocultos” conta a história do investigador soviético Leo Demidov (interpretado por Tom Hardy), que está à procura de um maníaco assassino de crianças (o filme é parcialmente baseado na história verdadeira do assassino em série Andrei Chikatilo).

Como "não poderia haver maníacos" na URSS, as autoridades do país restringem a investigação, mas o personagem de Hardy não desiste e tenta continuar com seus interrogatórios.

O filme deveria ter sido lançado na Rússia em abril de 2015. Mas, poucos dias antes, foi exibido no Ministério da Cultura e, após isso, sua licença de distribuição que já havia sido emitida foi anulada.

O motivo oficial alegado foi o de que a distribuidora russa, a Central Partnership, retirou o lançamento, mas algumas fontes disseram que a decisão foi tomada devido à pressão exercida pelo ministro da Cultura.

Como sempre acontece, a proibição de “Crimes Ocultos” estampou as manchetes, e o ministro publicou uma carta aberta cheia de críticas dirigidas ao suspense de Espinosa.

O ministro não gostou do fato de que “Crimes Ocultos” retratava a União Soviética como “uma terra-média povoada por subhumanos defeituosos física e moralmente, com um banho de sangue na tela".

Love (2015)

O drama erótico extremamente explícito lançado em 3D, do mesmo diretor de “Irreversível”, Gaspar Noé, estreou em Cannes e foi lançado na Rússia no Festival de Cinema de Moscou.

Mas o filme teve a licença recusada em setembro de 2015 e nunca foi distribuído mais amplamente.

Desta vez, o ministro da Cultura Vladímir Medinski não conseguiu encontrar palavras para descrever seus sentimentos ao ver o filme. Mas ele foi exibido depois em diversos festivais de cinema russos - a lei russa permite que filmes estrangeiros sejam exibidos em festivais sem necessidade de uma licença de distribuição.

 

Gosta de cinema? Então leia “Os 5 filmes mais polêmicos da Rússia”.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais