Obra recém-descoberta de Da Vinci é posta à venda por bilionário russo

Quadro que era considerado perdido será leiloado pela Christie’s.

Esta é “Salvador Mundi”, a última pintura de Leonardo Da Vinci mantida em uma coleção privada, datada de cerca de 1500.

Este é Dmítri Ribolovlev, um bilionário russo proprietário da obra e do clube de futebol AS Monaco.

Esta é a casa de leilões Christie’s, de Nova York, que irá leiloar o quadro de Da Vinci no dia 15 de novembro.

Aqui temos US$ 100 milhões (cerca de R$ 315 milhões), a primeira estimativa de preço de “Salvador Mundi”, que foi comprada em um leilão em 1958 por apenas 45 libras (cerca de R$ 190) como um trabalho da escola Da Vinci.

Esta é “Madonna Benua”, que foi o trabalho de Da Vinci de descoberta mais recente (no início do século 19). “Salvator Mundi” só foi reconhecida como obra de Da Vinci em 2005.

Esta é a National Gallery, em Londres, onde “Salvator Mundi” foi exibida ao público pela primeira vez, em 2011. Ela foi vendida pela Sotheby’s para o galerista Yves Bouvier, que, por sua vez, vendeu a obra para Dmítri Ribolovlev por US$ 47,5 milhões (cerca de R$ 149 milhões) a mais do que ele havia pagado.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies