Tudo sobre a nova metralhadora russa OC-128

Mikhail Degtiariov/kalashnikov.ru
OC-128 dispara munições da Otan e será a primeira metralhadora russa com habilidades de fuzil de precisão e potencial para eliminar até mesmo veículos blindados leves.

No final de novembro, fabricantes de armas russos revelaram a nova metralhadora OC-128, que poderá substituir a principal metralhadora do exército russo, a PKP, criada no início dos anos 1990 para fins militares.

A OC-128 será a primeira metralhadora russa criada para disparar munições da Otan de calibre de 7,62x51 mm. Assim, segundo especialistas militares, a precisão da arma será melhor que a da PKP.

“A PKP é poderosa, mas imprecisa. Você não pode disparar dezenas de tiros e esperar que atinja alvos no mesmo local”, diz o ex-oficial das Forças Especiais russas Ivan Aleksêiev.

Segundo ele, as munições da Otan são muito eficazes em distâncias curtas, de até 600 ou 700 metros. "A OC-128 terá o mesmo sistema equilibrado dos raros rifles de assalto AEK-971, uma arma sensível, adequada para operações especiais e inadequada para soldados regulares mal-treinados”, diz.

“A AEK-971 também é uma arma poderosa que pode ser usada como metralhadora, mas a OC-128 será mais precisa. Além disso, será mais fácil de encontrar munições para o OC-128 no campo de batalha”, diz Aleksêiev.

A principal desvantagem da nova OC-128 é o peso. Sem munições, a arma pesa mais de 7 kg. Além disso, ela é alimentada por uma correia, que também não é leve.

A metralhadora tem coronha dobrável lateralmente, e trilhos na parte superior e inferior, que podem ser usados para montar todos os tipos de óticas e acessórios modernos.

“Esta arma não será produzida em massa. A OC-128 será comprada seletivamente, em pequenos lotes, para unidades específicas. Será um ótimo complemento, mas não algo revolucionário”, conclui Aleksêiev.

LEIA TAMBÉM: Os 5 piores fabricantes de fuzis AK do mundo

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies