Argentina construirá fábrica para produzir Sputnik V

Dado Ruvic/Reuters
Planta realizará ciclo de produção completo da vacina russa.

O laboratório Richmond, que produz a vacina Sputnik V na Argentina, construirá uma nova fábrica para a produção completa do imunizante russo contra o coronavírus.

A fábrica terá todas as instalações para a criação do medicamento a partir do zero. Hoje, o ingrediente ativo para a produção da vacina é importado diretamente da Rússia.

“Conseguimos atrair US$ 85 milhões para a nova fábrica. Pretendemos utilizá-la para realizar o ciclo completo de produção do imunizante russo”, disse o diretor do laboratório, Marcelo Figueiras, à agência de notícias russa Ria Nóvosti.

Além disso, a nova fábrica, que deverá ser construída dentro de um ano, terá capacidade para produzir vacinas de RNA mensageiro. A fábrica em si custará US$ 65 milhões e os fundos restantes serão investidos no processo de certificação e em ensaios clínicos. Segundo a Ria Nóvosti, a construção da fábrica já começou.

Figueiras planeja discutir os detalhes de construção da nova fábrica e fechar um acordo de longo prazo com o Fundo de Investimento Direto da Rússia (FIDR), responsável pelas exportações de medicamentos russos, durante viagem a Moscou, no início de outubro.

“A fábrica terá capacidade para produzir 500 milhões de doses por ano. É uma capacidade muito grande. Acho que se tivermos uma planta tão potente, poderemos ajudar o FIDR a fornecer vacinas para outros países”, disse Figueiras.

Anteriormente, a Universidade Nacional de Córdoba realizou um estudo que mostrou que a vacina russa Sputnik V é mais eficaz contra a cepa delta do coronavírus que a AstraZeneca e a Sinopharm. Os cientistas estudaram 309 amostras de plasma de pessoas que se recuperaram do coronavírus e daquelas que receberam as duas doses das vacinas AstraZeneca, Sinopharm e Sputnik V.

LEIA TAMBÉM: Nicarágua compra novo lote de vacinas Sputnik V e Sputnik Light

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies