Rússia registra primeira vacina contra covid-19 para animais

Ensaios no Centro Federal de Saúde Animal do Rosselkhoznadzor

Ensaios no Centro Federal de Saúde Animal do Rosselkhoznadzor

Reuters
Com 100% de eficácia demonstrada em testes, imunizante deve ter produção em massa iniciada já em abril.

A primeira vacina do mundo contra covid-19 para animais, desenvolvida por cientistas do Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária (Rosselkhoznadzor), foi registrada na Rússia, segundo o vice-diretor da agência, Konstantin Savenkov.

"Carnivak-Cov, uma vacina contra a infecção por coronavírus para animais carnívoros, desenvolvida pelo Centro Federal de Saúde Animal do Rosselkhoznadzor, foi registrada na Rússia. Até agora, este é o primeiro e único produto de prevenção do mundo contra covid-19 em animais”, disse Savenkov a repórteres.

A produção em massa do imunizante pode começar já em abril.

De acordo com Savenkov, os ensaios clínicos da Carnivak começaram em outubro passado, envolvendo cães, gatos, raposas e raposas-do-Ártico, bisões e outros animais.

“O resultado da pesquisa nos dá subsídios para concluir que a vacina é segura e tem forte efeito imunogênico, pois todos os animais vacinados desenvolveram anticorpos contra o novo coronavírus em 100%”, disse Savenkov. Segundo ele, os cientistas russos estão atualmente realizando novas pesquisas na tentativa de descobrir quanto tempo dura o efeito do imunizante.

“Atualmente, estima-se que não dure menos de seis meses”, acrescentou.

Outros países interessados

Outros países já demonstraram interesse na vacina anticoronavírus para animais desenvolvida por cientistas russos, segundo Savenkov.

"Como há casos de covid-19 registrados em animais em muitos países do mundo, planeja-se compras da vacina do Centro Federal de Saúde Animal por empresas de criação de animais domésticos e empresas comerciais da Grécia, Polônia e Áustria. Empresas dos Estados Unidos, Canadá e Cingapura também demonstraram interesse pela Carnivak-Cov", declarou.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal, certas espécies são suscetíveis ao coronavírus. Casos da doença foram registrados em animais em todo o mundo. Na semana passada, por exemplo, a entidade recebeu dados sobre três casos no México e um no Brasil.

Além disso, surtos em massa de covid-19 foram identificados anteriormente em fazendas de peles. Em novembro do ano passado, o governo da Dinamarca tomou a decisão de exterminar 17 milhões de bisões por temor de que pudessem infectar humanos com o coronavírus mutado. Segundo Savenkov, dois casos de infecção pelo novo coronavírus em gatos foram registrados na Rússia até agora: em Moscou e em Tiumen (Sibéria).

“De acordo com os cientistas russos, o uso da vacina pode prevenir novas mutações do vírus, que costumam ocorrer durante a transmissão interespecífica do patógeno. Ao mesmo tempo, deve-se destacar que, até o momento, não houve dados científicos que evidenciem a transmissão do novo coronavírus de animais para humanos, como a Organização Mundial da Saúde vem afirmando repetidamente", concluiu Savenkov.

VEJA TAMBÉM: Como estão as cidades russas um ano após as restrições impostas pelo coronavírus

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies