Três minerais até então desconhecidos são descobertos em Kamtchatka

Serguêi Fomin/Global Look Press
Batizados como itelmenita, aleutita e koriakita, em homenagem aos povos indígenas locais, eles podem ser usados ​​na indústria de alta tecnologia.

Itelmenita, aleutita e koriakita são os nomes de três novos minerais descobertos por cientistas da Universidade Estatal de São Petersburgo na Península de Kamtchatka, no Extremo Oriente russo.

Os especialistas do Departamento de Cristalografia, liderados pelo professor Oleg Sidr, trabalharam durante vários anos no estudo das fumarolas – abertura na superfície da crosta da Terra que emite vapor de água e gases – do vulcão Tolbatchik, localizado na parte central desta região russa particularmente selvagem.

Esses buracos de terra são caracterizados por uma rica diversidade mineral. No entanto, foi durante a análise de amostras colhidas no local que os pesquisadores descobriram a presença desses três novos minerais.

“Sua estrutura cristalina e suas propriedades não têm analogia com outros grupos de minerais”, lê-se na publicação da Estatal de São Petersburgo.

A itelmenita e a koriakita contêm sulfato, enquanto a aleutita possui arseniato e vanadato em sua composição. Os pesquisadores acreditam que essas características podem permitir o uso dos minerais em uma ampla variedade de campos na indústria de alta tecnologia, desde microeletrônica a produção de computadores quânticos.

Por ocasião da importante descoberta, os especialistas nomearam os materiais em homenagem às etnias indígenas de Kamtchatka – itelmenos, aleútes e coriacos.

“Dada a surpreendente semelhança entre a arquitetura da construção cristalina do mineral e os motivos tradicionais das vestes dos itelmenos, os cientistas decidiram batizá-los com o nome desses povos”, diz a nota enviada à imprensa.

LEIA TAMBÉM: Metalúrgica dos Urais produz ouro puro a partir de resíduos químicos

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies