Cientistas russos e japoneses reativam células e restauram DNA de mamute

Vitali Belousov
Pesquisa se baseia em filhote congelado que viveu há 28 mil anos.

A equipe de pesquisa que estuda a pequena mamute chamada Yuka recebeu pela primeira vez células biologicamente ativas do fóssil e conseguiu restaurar parcialmente seu DNA, segundo a agência siberiana da Academia Russa de Ciências.

O material foi retirado do tecido da mamute, que 28.000 anos atrás vivia em um ambiente permanentemente congelado. O fóssil foi achado em 2011 na costa do mar de Laptev, na Iakútia. O corpo estava conservado graças ao congelamento e possuía uma lã avermelhada, característica de filhotes.

LEIA TAMBÉM: Os desastres naturais mais arrasadores da Rússia moderna 

Os cientistas estudam agora os tecidos moles, o cérebro e a pele de Yuka, que não sofreram putrefação. Segundo eles, pesquisas adicionais ajudarão a decifrar informações biológicas encontradas nas células de animais fossilizados, sobretudo no que diz respeito a mecanismos evolutivos e causas de extinção.

Os cientistas de Iakutsk cooperam com uma equipe de pesquisadores do Japão, liderada por Akira Iritini, desde o final da década de 1990. Entre os feitos do estudo está a descoberta – sem precedentes – do cérebro em um animal fossilizado.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies