Apoio da Rússia à presença de mulheres no setor de ciência ainda é insuficiente, diz estudo

Legion Media
Segundo a Unesco, 29% de todos os pesquisadores do mundo são mulheres, contra 41% na Rússia. No entanto, a maioria delas continua atuando em áreas consideradas “historicamente femininas”, como biomedicina e psicologia.

Quase 57% dos estudantes russos são mulheres, e 46% delas cursam disciplinas ligadas a ciência, de acordo com o projeto 5-100, um programa estatal para desenvolver as principais universidades do país. No entanto, as mulheres continuam sendo sub-representadas nas ciências russas, de acordo com um estudo conduzido por pesquisadores da Escola Superior de Economia (HSE, na sigla em russo).

As ciências naturais na Rússia, por exemplo, são um campo ainda dominado pelos homens: são 147.604 homens contra 77.434 mulheres.

Da URSS aos dias de hoje

Na União Soviética, as mulheres eram encorajadas a entrar nos campos de estudo científico. Mais tarde, de 1991 em diante, a Rússia presenciou um aumento no número de mulheres cientistas, mas sobretudo em “campos tradicionais para elas”, tais como medicina clínica, biologia e pesquisa biomédica.

“Várias das especialidades da psicologia, assim como medicina clínica e pesquisa biomédica, estão relacionadas a domínios historicamente considerados femininos”, explicam os pesquisadores do HSE.

A matemática foi outra disciplina que experimentou um ligeiro aumento na participação de mulheres depois de 1991. Porém, a Escola Superior de Economia acredita que a razão para isso é que, nos anos 1990, os homens começaram a abandonar o país, mudar-se para o exterior, ou escolher outro emprego mais lucrativo.

“Diante de uma situação econômica difícil, o Estado russo já não conseguia mais dar suporte a ciência, e um grande número de cientistas homens deixou a Rússia para continuar suas pesquisas no exterior, o que poderia explicar parte desse aumento”, admitem os autores do estudo.

LEIA TAMBÉM: Quem são as mulheres mais ricas da Rússia? 

Por outro lado, ainda de acordo com o documento, houve em 1991 uma diminuição significativa da contribuição feminina em áreas como engenharia e tecnologia.

“As universidades russas vem combatendo a sub-representação das mulheres nos setores de ciência e pesquisa, e se esforçam para dar às cientistas o reconhecimento que elas merecem”, lê-se no programa do projeto de 5-100.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies