Pagamentos eletrônicos na Rússia crescem quase 23% em um ano 

Getty Images
E-wallets, ou carteiras eletrônicas, já são o meio de pagamento preferível por 71% da população do país.

O uso de cartões bancários, a realização de transações bancárias na internet e o pagamento com e-wallets na Rússia aumentou 22,8% neste ano, em comparação com os dados registrados em 2017, segundo a empresa de pesquisa Mediascope.

O estudo anual sobre pagamentos on-line envolveu russos na faixa etária de 12 a 55 anos que moram em cidades com população de mais de 600 mil habitantes.

Os cartões bancários continuam sendo os métodos de pagamento on-line mais populares, usados por 88,9% dos entrevistados. A parcela de russos que realizam transações via banco on-line cresceu em 8,9%, chegando a 87,2%.

Os pagamentos com a tecnologia contactless (sem contato) também vêm ganhando popularidade rapidamente, e o número de usuários aumentou 3,5 vezes. Ainda segundo a Mediascope, 36,3% dos entrevistados já realizam pagamentos com seus smartphones.

Os consumidores on-line mais ativos têm idade entre 18 e 34 anos. Adolescentes russos entre os 12 e 17 anos também preferem e-wallets e serviços bancários on-line, e raramente utilizam cartões bancários para efetuar compras.

O Yandex.Money, que é usado por 48,5% dos entrevistados, lidera entre os serviços de e-wallet, seguido por WebMoney e PayPal, com 38,9% e 38,6%, respectivamente. O QIWI, o quarto e-wallet mais popular da Rússia, foi apontado por 36,2% dos respondentes.

Para compras on-line, a maioria dos entrevistados utiliza pagamentos com carteira eletrônica. Os russos também costumam pagar on-line por conteúdo digital, incluindo filmes, músicas, livros e redes sociais.

Os sistemas de pagamento sem contato incluem Apple Pay (preferido por 16,5% dos russos), Samsung Pay (12,3%), e o mais popular, Google Pay (18,7%).

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies