Sobrevivência de espécies não depende de sua fertilidade

Moritz Vennemann/Global Look Press
Seleção natural contra mutações prejudiciais não está relacionada com a fertilidade do organismo, segundo nova pesquisa de biólogos russos.

 Uma nova pesquisa realizada por cientistas da Universidade Estatal de Moscou e da Skoltech mostra que a quantidade de descendentes que uma espécie é capaz de deixar durante sua vida não está relacionada com seleção natural.

Os cientistas investigaram a prevalência de mutações prejudiciais que causam a destruição de genes importantes em populações de 35 espécies diferentes.
Independentemente da fertilidade de espécies, a seleção contra mutações prejudiciais ocorre aproximadamente de maneira equiparável, o que significa que a sobrevivência de uma espécie não depende de sua fertilidade.

"Podemos afirmar que a fertilidade e outras propriedades das espécies foram otimizadas no processo de evolução para alcançar a seleção mais forte contra mutações prejudiciais", disse um dos autores do estudo, Aleksander Bezmenov.

Curtiu? Então descubra por que cientistas russos sonhavam em criar mutante de chimpanzés e humanos!

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies