Rússia lança a única usina nuclear flutuante do mundo

Anton Vaganov/TASS
Reator funcionará como unidade de energia móvel para regiões do Norte e Extremo Oriente da Rússia. Greenpeace se opõe ao que chama de “Chernobyl flutuante”.

Depois das tentativas da China e dos Estados Unidos, a Rússia acaba de lançar a usina nuclear flutuante Akademik Lomonossov, com potência de 70 megawatts.

Construído pela estatal Rosatom, a estrutura zarpou de São Petersburgo antes de passar pela costa da Noruega a caminho de Murmansk, onde será abastecida e então rebocada para o seu próximo destino: a região autônoma de Tchukotka, no Extremo Oriente Russo. O reator acabará no Ártico, perto da cidade de Pevek, onde deverá fornecer energia para uma usina de dessalinização de água e plataformas de petróleo.

A construção da estrutura começou em 2009 e, segundo diferentes fontes, estima-se que tenham sido gastos cerca de US$ 232 milhões. A Rosatom planejava inicialmente reabastecer o reator em São Petersburgo, mas alguns países do Báltico, junto com a ONG internacional Greenpeace, se opuseram à ideia, e Murmansk foi selecionada.

O Greenpeace também alertou para os perigos de uma usina nuclear flutuante, referindo-se à estrutura como um potencial “pesadelo” ou um “Chernobyl” flutuante. A Rosatom, porém, insiste que todas as medidas de segurança no reator flutuante são de última geração, tornando-o “praticamente insensível a danos”.

A Akademik Lomonossov foi equipada com dois reatores KLT-40S e irá gerar até 70MW de energia, o que, pelas estimativas modernas, é bastante baixo. Alguns porta-aviões dos EUA possuem até 700MW.

A estrutura flutuante da Rússia, que irá substituir a obsoleta usina nuclear de Bilíbinskaia e a hidrelétrica de Tchúnskaia, vai começar a operar a partir de 2019.

A primeira usina nuclear flutuante foi a norte-americana MH-1A, da década de 1960. Desativado em 2014, o reator de água pressurizada fazia parte de um grupo maior do programa do Exército dos EUA, encarregado de levar energia para áreas remotas.

Em 1978, um cientista russo foi exposto a enormes quantidades de radiação. Mas, por milagre, ele sobreviveu e se tornou objeto de pesquisas científicas. Leia mais.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais