Os 3 principais fuzis das Forças Especiais russas

Unidades detém os mais modernos equipamentos militares, cujas caraterísticas técnicas geralmente são mantidas em segredo.

ShAK-12


O fuzil de assalto de grande calibre ShAK-12, que dispara uma das balas mais poderosas do mundo, a 12,7 x 55 mm, é uma versão modernizada do fuzil Ash-12. FEle foi desenvolvido em 2017 especialmente para subunidades das Forças Especiais “Spetsnaz” do Serviço de Segurança Federal (FSB, órgão que substituiu a KGB).

O armamento foi projetado para combate próximo em ambientes urbanos e pode perfurar blindagem pesada e paredes de tijolos, sendo mais eficaz a distâncias de até 100 metros.

Além disso, o fuzil pode ser carregado com munições perfurantes capazes de atingir alvos a uma distância de até 300 metros.

O ShAK-12 tem configuração “bullpup”, ou seja, o gatilho se encontra à frente do carregador de munição, que contém entre 10 e 20 cartuchos. O seletor de modo de incêndio fica localizado atrás do carregador.

Para reduzir o impulso de recuo, o ShAK-12 é equipado com freio de boca e coronha de borracha. O fuzil automático também pode ser equipado com um silenciador, lançador de granadas e miras ótica ou colimadora nos trilhos Picatinny.

Fuzil de precisão DXL-3

O DXL-3 é um dos poucos armamentos russos desenvolvidos por uma empresa privada. Ele foi entregue ao Ministério de Defesa em 2010 e continua a ser usado até hoje pelo Serviço Federal de Proteção - responsável pela segurança do presidente e de outros altos funcionários do Estado.

O fuzil de precisão DXL-3 é feito com alumínio de aviação de alta resistência e projetado para funcionar em temperaturas entre 45 graus Celsius negativos e 60 graus Celsius positivos.

O DXL-3 usa cartuchos de calibre Lapua Magnum 0,338, que permitem atingir alvos a uma distância de até 1.800 metros.

Seus desenvolvedores conseguiram resolver o principal problema dos cartuchos de calibre de .338 Lapua Magnum: o enorme recuo causava até hematomas e traumas nas articulações dos ombros. Eles conseguiram reduzir o recuo, aumentaram a precisão do fuzil e facilitaram o disparo em condições de combate.

O fuzil pode ser usado por subunidades que operem tanto em ambientes urbanos, quanto fora das cidades.

An-94

Um dos primeiros rifles de assalto desenvolvido para substituir o obsoleto AK-74 é o Nikonov AN-94 Abakan, criado em meados da década de 1990.

O rifle, que dispara os cartuchos mais populares da Rússia 5,45 x 39 mm, foi projetado para solucionar a principal deficiência do AK-74, ou seja, sua baixa precisão.

A arma, fabricada em série, passou a atrasar a força de recuo até que as rodadas queimadas tenham deixado o cano. Simplificando: após o disparo, o recuo é sentido apenas após os dois primeiros tiros, o que permite atingir o alvo nas mais adversas condições de combate.

O AN-94 oferece uma única função de explosão de dois disparos, com uma taxa de fogo de 1.800 por minuto. 

Porém, o armamento mostrou-se um pouco complicado em operação e manutenção, e não se adequou ao uso por soldados inexperientes ou pouco qualificados.

Assim, o Ministério da Defesa limitou a aquisição do rifle, fornecendo os AN-94 apenas para subunidades das Forças Especiais.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies