Exoesqueleto russo passa por ensaios clínicos nos EUA antes de seguir à América Latina

ExoAtlet
ExoAtlet, um exoesqueleto médico criado por desenvolvedores em Moscou para a reabilitação de pacientes com deficiências motoras nos membros inferiores, será introduzido nos EUA, no Japão e na China. A startup russa levantou US$ 5 milhões da sul-coreana Cosmo Co Ltd. para financiar sua expansão internacional.

O mercado de aperfeiçoamento biônico, junto com os de inteligência artificial blockchain, é uma das grandes promessas no futuro – o mercado de exoesqueleto robótico deve chegar a US$ 4,65 bilhões até 2026.

Empresas dos EUA, como Ekso Bionics, HAL Cyberdyne, ReWalk e Indego, já oferecem exoesqueletos para ajudar pessoas com lesões na coluna a andar. Porém, os desenvolvedores do ExoAtlet, de Moscou, acreditam que sua criação oferece aos pacientes uma vantagem sobre a concorrência.

“Nossas soluções técnicas permitem que o paciente ande com um exoesqueleto o mais próximo possível de uma pessoa comum, o que é importante para restaurar a capacidade natural”, disse a cofundadora da ExoAtlet, Ekaterina Berezi, ao Russia Beyond.

A equipe da ExoAtlet desenvolveu novos métodos de reabilitação para pacientes com lesões na medula espinhal, após derrame, ou que sofram de esclerose múltipla.

Sucesso inicial e expansão

A empresa já abriu um escritório na Coreia do Sul, e, no segundo semestre de 2018, planeja expandir para outros países asiáticos e EUA.

Até agora, a empresa teve uma experiência positiva na Coreia do Sul e, após receber a certificação, um total de oito exoesqueletos foram vendidos em apenas um mês. No segundo semestre de 2018, a startup abrirá escritórios no Japão e na China e venderá exoesqueletos em Cingapura, Malásia, Tailândia e Vietnã.

De acordo com Joe Young, CEO da ExoAtlet Ásia, o mercado asiático presenciará um rápido desenvolvimento em robótica de reabilitação durante a  próxima década. “Planejamos vender exoesqueletos para clínicas e indivíduos particulares”, diz Yong.

De olho na América Latina

Nos EUA, a startup russa vai abrir um escritório em Washington D.C., onde dará início a ensaios clínicos em hospitais locais. Quando os testes forem concluídos, o ExoAtlet solicitará a certificação do FDA (agência reguladora de produtos alimentícios e farmacêuticos nos EUA). Esse processo, no entanto, pode levar até dois anos. O preço no mercado norte-americano será definido após pesquisa de mercado.

“Alguns hospitais grandes nos EUA estão interessados, e o próximo passo é encontrar pacientes e preparar o cronograma da pesquisa”, disse Berezi. “Há uma grande concentração de potenciais parceiros médicos na costa leste em Filadélfia, Boston, Nova York e Washington. Além disso, estamos de olho no Texas e na Califórnia. ”

Os desenvolvedores do exoesqueleto esperam que a aprovação do FDA também abra o acesso a outros mercados, como a América Latina.

O ExoAtlet surgiu em 2011, por uma iniciativa do Ministério para Situações de Emergência da Rússia para  ajudar a resgatar pessoas em incêndios, além de movimentar cargas pesadas. As primeiras versões possibilitaram que uma pessoa comum levantasse até 200 quilos. Em 2013, a equipe decidiu iniciar o desenvolvimento de um exoesqueleto para fins médicos.

Leia também "Projeto emprega psicólogos deficientes para realizarem análises remotas".

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies